Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump não precisa de autorização do Congresso para declarar guerra ao Irã, diz analista

Donald Trump pode não precisar do aval do Congresso para declarar guerra contra o Irã, algo que seus conselheiros "vêm construindo discretamente" um caso em meio a sanções crescentes, informa Jonathan Allen, da NBC News.
Sputnik

O articulista afirma que os principais elementos do plano incluem ligar a al-Qaeda ao Irã para retratar a República Islâmica como uma ameaça terrorista aos EUA, "o que é exatamente o que as autoridades do governo vêm fazendo nas últimas semanas".

"Isso poderia dar a Trump a justificativa que ele precisa para combater o Irã sob a resolução de uso de força de 2001, sem aprovação do Congresso", Allen argumenta, acrescentando que o Congresso dificilmente concederá ao presidente americano "nova autoridade para atacar o Irã nas circunstâncias atuais ”.

Os comentários do autor vêm depois que o New York Times citou vários altos funcionários norte-americanos não identificados dizendo que “[o presidente Donald] Trump foi firme em dizer que…

China convoca embaixador dos EUA após sanção por compra de jatos russos

O Ministério de Relações Exteriores da China convocou neste sábado o embaixador dos EUA em Pequim para protestar contra a decisão de Washington de sancionar uma agência militar chinesa e seu diretor após a compra de caças russos e de avançado sistema de mísseis terra-ar.


Reuters

O vice-ministro das Relações Exteriores chinês, Zheng Zeguang, convocou o embaixador Terry Branstad para apresentar “representações severas” e protestar contra as sanções, disse a pasta.

Resultado de imagem para Terry Branstad
Terry Branstad | Reprodução

Mais cedo, o porta-voz do Ministério da Defesa chinês, Wu Qian, disse que a decisão da China de comprar caças e sistemas russos foi um ato normal de cooperação entre países soberanos, e que os Estados Unidos “não tinham o direito de interferir”.

Na quinta-feira, o Departamento de Estado dos EUA impôs sanções ao Departamento de Desenvolvimento de Equipamentos da China (EED, na sigla em inglês) depois que o órgão se envolveu em “transações significativas” com a Rosoboronexport, principal exportadora de armas da Rússia.

As sanções estão relacionadas com a compra pela China de dez aeronaves de combate SU-35 em 2017 e equipamentos relacionados ao sistema de mísseis terra-ar S-400 em 2018, informou o Departamento de Estado.

As sanções impedirão o EED e seu diretor, Li Shangfu, de solicitarem licenças de exportação e de participarem do sistema financeiro dos EUA. “A abordagem dos EUA é uma flagrante violação das normas básicas das relações internacionais... e uma séria violação das relações entre os dois países e seus dois exércitos”, disse Wu em um comunicado divulgado pelo Ministério da Defesa chinês. O porta-voz disse que os EUA foram avisados que enfrentariam “consequências” se não revogassem imediatamente as sanções.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas