Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Comandante das Forças de Israel: Exército está pronto para qualquer cenário de guerra

Em resposta a um relatório do órgão de controle das Forças de Defesa de Israel alegando que cortes de mão-de-obra prejudicaram a eficiência militar do país, o comandante em chefe Gadi Eisenkot elogiou a capacidade dos oficiais em uma carta aos membros do governo e do Parlamento.


Sputnik

O chefe do Estado-maior geral das Forças de Defesa de Israel (FDI), Gadi Eisenkot disse aos parlamentares que os militares estavam prontos para qualquer cenário no caso de uma guerra se desdobrar. "As FDI estão em um alto nível de preparação e prontidão para a guerra em relação a qualquer cenário de ameaça", escreveu ele em uma carta aos membros do gabinete de segurança e ao comitê parlamentar de relações exteriores e defesa, obtida pelo The Times of Israel.

Um soldado israelense em um veículo blindado após a visita do ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, nas colinas de Golã.
Tropas israelenses © REUTERS / Amir Cohen

Na carta, que foi anexada a um relatório confidencial, ele também elogiou a "inteligência e superioridade aérea de Israel, as capacidades terrestres e a abundante experiência operacional, que é testada diariamente em todos os cenários de guerra".

Sua declaração veio apenas alguns meses depois de Yitzhak Brick, um ombudsman das FDI, ter advertido que os militares estavam potencialmente despreparados para a guerra. Em um relatório anual divulgado no final de junho, ele citou uma aguda escassez de médicos e psiquiatras, bem como o efeito negativo das medidas de redução de custos sobre o moral de jovens oficiais.

Ele atribuiu falhas à estratégia de cinco anos iniciada em 2015, apelidada de Gideon, que reduziu o número de soldados de carreira para menos de 40 mil pessoas, dissolveu algumas unidades e tomou outras em uma tentativa de simplificar as forças armadas.

Também em 2015, o serviço militar obrigatório foi reduzido em três meses para os homens. De acordo com o relatório de Brick, quando combinados com cortes de mão-de-obra, isso fez com que os oficiais restantes tivessem de trabalhar mais para compensar a diferença, o que resultou em esgotamento e perda de motivação.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas