Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

EUA querem controlar Síria para favorecer Israel, diz chanceler sírio

O ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid Mualem, considera que o objetivo dos Estados Unidos é controlar território sírio em conformidade com os interesses de Israel.


Sputnik

"Quero dizer que as metas americanas não são somente americanas, mas também israelenses, que estão sendo postas em prática pelos EUA na Síria", afirmou Mualem durante entrevista à revista do MRE da Rússia Vida Internacional.

Forças dos EUA patrulham arredores da cidade síria de Manbij, em 7 de março de 2017
Tropas dos EUA na Síria © AP Photo / Arab 24 network

Segundo a opinião do chefe do Ministério das Relações Exteriores da Síria, tudo deu início em 2011, quando as tropas governamentais começaram a enfrentar facções armadas da oposição e grupos terroristas.

"Primeiramente, eles [EUA] não querem que a Síria seja o principal país de resistência a Israel. Em segundo lugar, eles não querem que a Síria tenha uma relação estratégica com Irã e Rússia", acrescentou o chanceler sírio.

Além disso, o ministro comentou que Washington queria que seu país "fosse como os outros países da região, ou seja, que ela se tornasse um instrumento de política externa dos EUA em conformidade com as vontades de Israel".

"Partindo deste ponto, quero dizer que o objetivo dos Estados Unidos na Síria corresponde ao controle em conformidade com os interesses de Israel sobre todas as futuras ações da Síria", ressaltou o ministro.

O desenvolvimento do conflito na Síria continua desde 2011, enquanto que no fim de 2017 a vitória sobre o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) na Síria e no Iraque foi declarada em regiões desses países com o apoio da Força Aeroespacial da Rússia, que juntos continuam expulsando militantes. No momento, a regularização política e a restauração da Síria estão em primeiro plano.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas