Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Ex-comandante britânico revela 'catástrofe' na Marinha do país

O ex-comandante da Marinha do Reino Unido, Alan West, afirmou que o país não é capaz de assegurar a proteção de suas águas territoriais, comunicou a edição The Independent.


Sputnik

De acordo com ele, o recente confronto entre pescadores franceses e britânicos no canal da Mancha por causa da captura de vieiras demonstrou que o Reino Unido carece de navios para proteger suas águas territoriais. Depois da saída do país da União Europeia, a situação será "catastrófica", assinalou. 

O maior navio da Marinha do Reino Unido, o porta-aviões Queen Elizabeth
Porta-aviões britânico Queen Elizabeth © AP Photo / Andrew Milligan

West acredita que o incidente demonstrou as falhas de organização no trabalho dos serviços militares. De acordo com ele, o comando das embarcações é realizado por várias unidades, embora a coordenação devesse ser efetuada por um centro só.

"Neste centro de comando não há um comandante que possa dar indicações às entidades estatais para estas empreenderem determinadas ações, portanto, o centro não pode efetuar um comando apropriado", assinalou o militar.

West acrescentou que, quando o Reino Unido abandonar a UE, o país precisará patrulhar a sua zona econômica exclusiva por si só, mas, frente à situação atual na Marinha do Reino Unido, tudo vai acabar em uma "catástrofe".

Comentários

Postagens mais visitadas