Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

General sírio desvenda objetivo escondido das manobras russas no Mediterrâneo

A Rússia acaba de iniciar as maiores manobras da sua Marinha no Mediterrâneo que decorrerão até 8 de setembro. Em uma conversa com a Sputnik, o especialista militar e general de brigada aposentado sírio, Ali Maqsud, disse que os respectivos exercícios ajudarão a Síria a se defender da agressão dos inimigos.


Sputnik

Hoje em dia, contra a Síria se está travando uma guerra tanto pelas forças internacionais, quanto regionais, disse o analista. Assim, conta ele, no momento atual o exército sírio está realizando ativamente uma ofensiva contra os terroristas no sul do país e se preparando para uma batalha de grande envergadura na província de Idlib. Eventualmente, isto não agrada aos militantes e seus patrocinadores, por isso estes pretendem fazer todo o possível para parar a ofensiva das tropas de Assad, explica Maqsud.

Fragata russa Admiral Grigorovich no estreito do Bósforo rumo ao mar Mediterrâneo, 7 de abril 2017
Fragata russa Admiral Grigorovich no Mar Mediterrâneo © REUTERS / Yoruk Isik

"Nessas condições, o verdadeiro objetivo das manobras russas no Mediterrâneo é realizar um ataque preventivo contra a agressão que está sendo preparada. A preparação e a realização das manobras pressupõem uma parceria da Rússia com seus aliados ao nível político e diplomático", disse ele à Sputnik Árabe.

"O resultado desses exercícios é a estabilidade na região. Os Capacetes Brancos e organizações semelhantes não poderão efetuar uma provocação com uso de armas químicas ou algo dessa espécie. Os países da região melhoraram suas relações e sua coordenação. Através dos intermediários russos, o Irã confirmou que está trabalhando e vai continuar a trabalhar para construir a estabilidade e paz na região", prosseguiu.

General aposentado acredita que os EUA estão recuando em seu plano de ofensiva. "Os norte-americanos instalaram na base de Shaddadi, na província de Al-Hasakah, no norte da Síria, sistemas de radar cujo principal objetivo é defensivo. Esse conjunto deve defender a base dos ataques aéreos. Acredito que eles estão se preparando para se defenderem", opinou.

Deste modo, ressalta o militar sírio, a situação na Síria está se desenvolvendo contra as ambições e os planos do Ocidente. Os curdos, por exemplo, estão travando ativamente negociações com o governo de Assad, o que desmantela totalmente os planos para uma divisão do país, adianta.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas