Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Imprensa dos EUA chama 'radares voadores' russos A-50U de 'perigo mortal'

A Força Aeroespacial da Rússia receberá em serviço mais dois aviões de sistema aéreo de alerta e controle A-50U (AWACS). Estes veículos proporcionam informações valiosas à aviação militar. Os "radares voadores" são capazes de detectar alvos aéreos a até 650 km.


Sputnik

A primeira aeronave A-50U foi entregue às Forças Armadas da Rússia em 2011. Desde então, esses aviões têm sido usados ativamente pelas forças russas, inclusive durante operações antiterroristas na Síria.

A-50 – aeronave do Sistema Aéreo de Alerta e Controle (AWACS) da Rússia
Beriev A-50 © Alex Beltyukov / Wikipedia

"Os radares voadores", pelo visto, vigiaram as ações da Força Aérea dos países ocidentais que operavam no espaço aéreo sírio, escreveu o portal Military Watch.

Podendo coordenar até dez aviões militares simultaneamente em missões aéreas, os aviões russos de AWACS representam um perigo mortal agindo com veículos aéreos que portam mísseis R-33/37 e mísseis de cruzeiro Kh-35, de acordo com a edição.

Devido a uma maior distância de detecção e capacidades de vigiar alvos aéreos, os "radares voadores" russos podem apontar mísseis contra alvos localizados a até 400 quilômetros, acrescentaram os autores da matéria.

Hoje na Rússia estão sendo elaborados novos "radares voadores" A-100. Este avião é dotado de um novo sistema de radar polivalente e de motores mais potentes. Prevê-se que os A-100 sejam adotados em serviço em 2020, junto com os novos caças russos Su-57 e MiG-35.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas