Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Irã progride indústria militar e pensa em dividir seus melhores armamentos com Síria

Segundo jornal iraniano, Teerã pretende fornecer a Damasco caças de fabricação nacional Kowsar e sistemas antiaéreos Bavar-373, que são semelhantes aos S-300 russos, porém, de acordo com fonte militar síria, não há datas concretas para entrega.


Sputnik

Kowsar foi lançado no mês passado e é o primeiro caça fabricado pelo Irã, além disso, ele se assemelha ao caça americano de terceira geração F-5E. Vale destacar que a aeronave iraniana é equipada com modernos equipamentos, o que indica um avanço da indústria iraniana, que poucos países possuem, afirma o jornal local Al Masdar News.

Caça Kowsar, o primeiro de produção iraniana
Caça iraniano Kowsar | CC BY 4.0 / Tasnim News Agency

Caça possui uma arquitetura altamente integrada e um sistema de controle de fogo que utiliza redes de dados digitais de quarta geração, sendo capaz de carregar diversos armamentos, além de poder ser utilizado em missões curtas de apoio.

O Irã vem desenvolvendo sua indústria militar há anos, enfrentando sanções internacionais e unilaterais, impostas pela ONU, EUA e seus aliados. Com isso, o país tem obtido avanços consideráveis que já conta com um robusto programa de mísseis, um tanque de combate Karrar, uma grande variedade de drones e outros projetos.

Outro projeto iraniano é o sistema antiaéreo de longo alcance, Bavar-373, projetado para substituir os S-300 russos, que devido às sanções da ONU, teve o contrato suspenso. O projeto foi lançado em 2016 e está previsto para ser finalizado em 2019, entrando em serviço no exército iraniano.

A informação surgiu em um momento tenso na Síria devido às ameaças dos EUA e seus aliados de realizar uma ação militar contra Damasco em caso de utilização de armas químicas.

Além do mais, militares e políticos tanto russos como sírios vêm denunciando a possibilidade de realização de encenação de ataque químico por países ocidentais para justificar posteriormente ataque ao governo sírio.

A hipotética ofensiva de Damasco contra a província de Idlib, transformado em um ponto de guerra que sedia tanto extremistas radicais como opositores armados, é a região onde chocam os interesses e planos da Síria (com seus aliados Rússia e Irã), de Turquia (que patrocina vários grupos opositores presentes na província) e da coalizão liderada pelos EUA.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas