Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Análise: Brasil poderia se tornar 'vigilante' dos EUA na América Latina

O presidente norte-americano, Donald Trump, referiu a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN. O analista russo Pavel Feldman avaliou a possibilidade de entrada do Brasil na aliança, bem como que papel poderia desempenhar o Brasil no conflito na Venezuela.
Sputnik

Durante a visita oficial do presidente do Brasil Jair Bolsonaro aos EUA, foram discutidos os assuntos internacionais mais importantes, entre eles a cooperação bilateral entre os EUA e o Brasil e a situação na Venezuela.


Uma das declarações mais sensacionais foi a possibilidade de entrada do Brasil na OTAN, referida pelo presidente dos EUA Donald Trump.

O vice-diretor do Instituto de Estudos Estratégicos e Prognósticos da Universidade Russa da Amizade dos Povos, Pavel Feldman, revelou em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik que os EUA são apenas um dos países da OTAN, há outros países cuja opinião deveria ser levada em conta nesse assunto.

Segundo ele, se o Brasil aderir à OTAN ele vai desempenhar o papel de vigilante d…

Na Síria imperam os ataques apesar da negociação

Em meio as negociações para resolver a situação na província de Idleb, último bastião organizado dos terroristas na Síria, esta nação do Levante sofre há dois dias sucessivos ataques da aviação israelense.


Por Pedro Garcia Hernandez | Prensa Latina
Damasco - Ao mesmo tempo, Estados Unidos e seus aliados da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) estreitam o cerco com uma frota de mais de 12 navios que acumulam não menos de 200 mísseis cruzeiros no Mediterrâneo Oriental. Enquanto isto ocorre, os presidentes da Rússia, Vladimir Putin, e da Turquia, Recep Tayyib Erdogan, sustentaram duas reuniões em menos de uma semana para 'definir' a grave situação em Idleb.


Após horas de intensa negociação, conseguiu-se o acordo de criar uma área desmilitarizada de 15 a 20 quilômetros entre as forças do Exército sírio e os grupos extremistas em toda a fronteira administrativa entre Idlib e as de Hama e Alepo, ao leste.

Por sua vez, o ministro de Defesa russo, Serguéi Shoigú, afirmou que não terá uma operação militar contra a oposição armada em Idlib e que os detalhes a esse respeito serão decididos com Damasco nas próximas horas.

Os mais recentes acontecimentos, sobretudo os ataques em áreas próximas ao aeroporto internacional da capital síria e o bombardeio de caças F-16 do regime sionista em Latakia, 350 quilômetros ao nordeste de Damasco, tensionam, no entanto, o já tenso ambiente na região.

Para os meios ocidentais de comunicação e alguns no Oriente Médio, essas são notícias ignoradas com mau repercussão midiática e insistem em satanizar o governo sírio e suas Forças Armadas.

Não existe uma única crítica à atuação de Tel Aviv, cujo regime, por outro lado, se nega a comentar qualquer fato e assume como sempre, uma atitude prepotente e de quase absoluta impunidade com o respaldo implícito e explícito de Washington.

Quase ao mesmo tempo, a partir de Washington, com o apoio do Reino Unido e França, empregam-se todos os mecanismos de pressão não para reduzir tensões, mas para aumentá-las como nunca antes em um conflito de ampla repercussão internacional.

Tudo ocorre quando Síria recupera territórios das mãos dos terroristas, avança na reconstrução da nação e tenta mitigar o horror e o pavor de mais de seis anos de guerra com o terrível saldo de mais de meio milhão de mortos e mutilados e perdas econômicas de mais de 200 bilhões de dólares.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas