Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Não haverá operação militar em Idlib, diz ministro da Defesa da Rússia

O presidente russo, Vladimir Putin e o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, se encontraram nesta segunda-feira (17) em Sochi, na Rússia, e discutiram a situação da província síria de Idlib. O principal anúncio do encontro foi o estabelecimento conjunto de uma zona desmilitarizada na região.


Sputnik

O encontro acontece pouco mais de uma semana após uma reunião entre Rússia, Turquia e Irã, realizada em Teerã. Na ocasião, os três Estados garantidores do cessar-fogo na Síria focaram em questões relacionadas à zona de diminuição de conflitos da província de Idlib. Foram discutidas formas de minimizar os riscos à população civil local em relação ao combate ao terrorismo.


Reunião entre Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan
Recep Tayyip Erdogan e Vladimir Putin © AFP 2018 / IVAN SEKRETAREV

Zona desmilitarizada em Idlib

O presidente russo afirmou que Moscou e Ancara pretendem estabelecer uma "zona desmilitarizada" ao longo da linha de contato entre a oposição e as tropas do governo da Síria.

Sob o acordo de cessar-fogo entre o governo e a oposição, a atividade militar em Idlib é proibida. No entanto, grupos militantes continuam seus ataques contra as forças do governo sírio. Foi registrado um aumento do número de violações do acordo de cessar-fogo e também há sinais de que militantes estariam preparando um ataque químico forjado com a intenção de criar condições para ataques estrangeiros das forças militares do Ocidente. A informação foi divulgada pelo Centro Russo para a Reconciliação Síria.

"Durante a reunião, nós consideramos essa situação em detalhes e decidimos estabelecer uma zona desmilitarizada de 15-20 km de comprimento ao longo da linha de contato entre a oposição armada e as tropas do governo sírio a partir do dia 15 de outubro deste ano", disse Putin durante uma conferência de imprensa ao lado de Erdogan.

"Em geral, essa abordagem é apoiada pela liderança da República da Síria, e em um futuro próximo nós iremos realizar novas consultas", acrescentou o presidente russo.

De acordo com Vladimir Putin, o controle da zona desmilitarizada será realizado por grupos de patrulha que consistirão em unidades dos Exércitos da Turquia e unidades militares policiais da Rússia.

O presidente russo ainda falou sobre consultas a serem realizadas em breve junto ao governo sírio acerca da situação em Idlib. No entanto, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, afirmou que não há detalhes sobre como essa reunião será realizada. "Ainda é muito cedo para falar sobre isso", disse.

Os presidentes da Turquia e da Rússia reafirmaram a manutenção do formato de trabalho de Astana para garantir a paz na Síria e a instituição de um comitê constitucional.

"Nós tivemos conversas substanciais e construtivas com o Sr. presidente. Essa foi nossa quarta reunião este ano e, literalmente 10 dias atrás, como vocês sabem, nós participamos da cúpula entre Rússia, Irã e Turquia em Teerã, voltada à questão da Síria", ressaltou o presidente russo, Vladimir Putin, logo após a reunião com Erdogan.

Já Erdogan reafirmou seu compromisso em apoiar o esforço de desmilitarização para a solução da questão na região ao lado da Rússia.

"Durante a conversa com o Sr. Putin nós concordamos que é necessário solucionar a situação de Idlib. Os territórios que estão sob controle da oposição síria devem ser desmilitarizados. A oposição que controla esses territórios permanecerá lá, porém, ao mesmo tempo, juntos com a Rússia, nós nos engajaremos em todos os esforços para eliminar os grupos radicais desses territórios. Nós faremos todo o esforço para isso", afirmou Erdogan.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas