Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Rússia envia navios armados com mísseis de cruzeiro Kalibr para a Síria

A Rússia está enviando uma flotilha de pelo menos 10 navios para a costa da Síria, informou o jornal Izvestia no dia 28 de agosto, citando fontes não identificadas do Ministério da Defesa. O agrupamento foi relatado como o mais poderoso da Rússia a ser enviado à Síria desde que Moscou iniciou sua intervenção no conflito há quase dois anos.


Reuters

MOSCOU – A reportagem do Izvestia acontece um dia após o porta-voz do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, ter dito que Moscou estava preocupado com a aparente preparação de um ataque de míssil de cruzeiro americano contra as forças do governo sírio, prontos para lançar uma ofensiva final sobre Idlib, fortaleza rebelde na guerra civil síria.


O grupo naval russo é liderado pelo cruzador de mísseis guiados da Flotilha do Norte, Marechal Ustinov, o grande navio de guerra antissubmarino Severomorsk, três das mais novas fragatas da Rússia, um grande navio de patrulha, três pequenos navios lança-mísseis e dois submarinos da classe Kilo. Muitos desses navios, observou o Izvestia, estão armados com mísseis de cruzeiro Kalibr.

Vários outros navios estão supostamente a caminho para se juntar à flotilha, tornando-se o maior desdobramento naval da Rússia (em termos de números de cascos) para a Síria – e possivelmente a maior desde o final da Guerra Fria. Mas afirmar que é o desdobramento mais poderoso é duvidosa; no final de 2016, os dois maiores navios da Rússia lideraram uma flotilha de oito navios para a Síria em uma missão de projeção de força.

A principal diferença entre os dois grupos são suas capacidades. Os dois navios que lideraram o último destacamento naval da Rússia para a Síria foram o porta-aviões Admiral Kuznetsov e o cruzador de batalha nuclear Pedro, O Grande. Eles foram acompanhados por dois destróieres e vários outros navios. No entanto, o Kuznetsov e o Pedro, o Grande, não estão armados com mísseis Kalibr.

Quando o grupo de batalha do Kuznetsov foi enviado para a Síria no final de 2016, ele o fez enquanto Washington estava debatendo novamente os méritos de ataques à Síria. Esse grupo foi uma dissuasão melhorada – não por outra razão senão que o Pedro, o Grande estava no teatro. O cruzador de batalha russo é projetado para atacar os porta-aviões americanos à distância. Mas o grupo a caminho da Síria é agora composto por navios menores com mísseis de cruzeiro, indicando que a Rússia pode estar de olho em apoiar o impulso esperado do governo sírio em Idlib.

Para a parte de Washington, as alegações da Rússia de um ataque iminente foram descartadas como propaganda.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas