Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Síria, bombas nucleares e OTAN: As principais alegações de livro explosivo contra Trump

Na semana passada, a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, descreveu um novo livro do proeminente jornalista norte-americano Bob Woodward como "nada mais do que histórias inventadas, muitas de ex-funcionários descontentes, para fazer o presidente parecer ruim". A Sputnik analisa alguns trechos importantes da obra.


Sputnik

Em seu recém-lançado livro sobre o presidente dos EUA, Donald Trump, o veterano jornalista do Washington Post, Bob Woodward, concentrou-se em uma série de questões internacionais urgentes, incluindo as relacionadas aos ataques com mísseis dos militares americanos no aeródromo sírio em Ash Sha'irat em abril de 2017.

O último livro do veterano jornalista Bob Woodward, Medo: Trump na Casa Branca (tradução livre), à venda no lançamento em uma loja da Costco em Alhambra.
© AFP 2018 / Frederic J. BROWN

De acordo com Woodward, Trump supostamente considerou dar uma ordem para lançar "um golpe secreto" contra o presidente sírio Bashar Assad após o ataque de mísseis Sha'irat, insistindo que os EUA deveriam fazer mais.

Ao mesmo tempo, Woodward afirmou que o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, estaria alarmado com a ideia de lançar um segundo ataque à base aérea da Síria na época, razão pela qual ele trabalhou para dissuadir o presidente de realizar a operação militar.

A longo prazo, Trump parou de exigir o segundo ataque de mísseis contra a Síria e gradualmente se reduziu a outras questões, relata Woodward.

Rússia planeja usar armas nucleares contra a OTAN

Em seu livro, Woodward também alega que a Rússia uma vez alertou o chefe do Pentágono, James Mattis, que se a OTAN usasse força militar contra a Rússia nos países bálticos, Moscou não hesitará em usar armas nucleares táticas contra a Aliança.

O alegado aviso levou Mattis a começar a dizer que a Rússia representa uma ameaça existencial para os Estados Unidos, em um movimento que foi endossado pelo presidente do Estado-Maior Conjunto dos EUA, general Joseph Dunford, segundo Woodward.

Disputa relacionada à OTAN entre Trump e Mattis

Separadamente, Woodward descreve como o séquito do presidente dos Estados Unidos, incluindo Mattis e Dunford, tentou convencer Trump da necessidade de preservar a OTAN durante uma reunião informal na Casa Branca em 8 de fevereiro de 2017.

Nesse contexto, Woodward cita Mattis como supostamente afirmando que, se a OTAN não existisse, deveria ter sido inventada. O Secretário de Defesa dos EUA também alegou na época que a Rússia nunca seria capaz de vencer a guerra se desafiasse a OTAN.

Kushner tentou encorajar aliança entre os EUA e a Arábia Saudita

Em outra parte de seu livro, Woodward aborda as alegadas tentativas do assessor do presidente dos Estados Unidos, Jared Kushner, de trazer o relacionamento americano-saudita de volta ao foco da política externa dos EUA.

De acordo com o autor, Kushner discutiu a questão com Derek Harvey, um coronel militar aposentado que estava encarregado da política do Oriente Médio no Conselho Nacional de Segurança durante o primeiro ano de Trump como presidente.

As duas autoridades supostamente convocaram uma cúpula importante na Arábia Saudita durante a visita de Trump ao reino em 2017, com Kushner convidando o príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman. Segundo Woodward, a visita de Salman ocorreu em março de 2017, dois meses antes da viagem de Trump ao Oriente Médio.

Na semana passada, Trump twittou que o novo livro de Woodward nada mais é do que uma "fraude, que já foi refutada e desacreditada pelo general (secretário de Defesa) James Mattis e pelo general (chefe de gabinete) John Kelly". A afirmação foi repetida pela secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, que criticou o livro como "nada mais do que histórias inventadas […] contadas para fazer o presidente parecer mal".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas