Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

Submarino japonês participa pela 1ª vez de exercícios no mar do Sul da China

Um submarino da Força Marítima de Autodefesa japonesa está envolvido pela primeira vez em exercícios navais no mar do Sul da China, comunicou o Ministério da Defesa do Japão.


Sputnik

De acordo com o ministério, citado por Reuters, o submarino Kuroshio da Força Marítima de Autodefesa japonesa, com a tripulação completa de 80 homens, chegará à região até 21 de setembro. Os exercícios nesta zona estão sendo acompanhados por três porta-helicópteros japoneses da classe Izumo.

Japan’s Defense Ministry said the submarine Kuroshio joined an exercise in the South China Sea on Sept. 13.
Submarino Kuroshio da Força Marítima de Autodefesa japonesa | Reprodução

Em agosto, o Japão disse no seu Livro Branco da Defesa que a China empreendeu grandes esforços para aumentar as suas capacidades militares e ampliar a área das suas operações militares aéreas e marítimas, em particular no mar da China Oriental (mar do Leste) e mar do Sul da China.

O Ministério das Relações Exteriores chinês, por sua vez, chama a estas declarações japonesas de infundadas e irresponsáveis.

O representante oficial da China, Geng Shuang, apelou aos países que não pertencem à região para se absterem de ações que possam pôr em causa a paz e a estabilidade no mar do Sul da China, "respeitar os esforços que os países da região realizam para resolver o problema do mar do Sul da China através de métodos pacíficos e do diálogo."

Tóquio e Pequim estão envolvidos há muito tempo em uma disputa territorial sobre as ilhas Senkaku, referidas pela China como ilhas Diaoyu. As ilhas estão situadas perto de uma importante rota marítima e potencialmente de grandes campos de gás e petróleo.

O Japão afirma que as ilhas lhe pertencem desde 1895, enquanto Pequim ressalta que os mapas japoneses feitos em 1783 e 1785 indicam as ilhas como território chinês. Depois da Segunda Guerra Mundial as ilhas passaram a ser controladas pelos EUA até o momento em que foram devolvidas ao Japão, em 1972. Taiwan e a China continental consideram que Tóquio mantém o controle das ilhas ilegalmente.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas