Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Ucrânia estaria confrontando Rússia ao reforçar grupo naval no mar de Azov?

Autoridades de Kiev, ao aumentarem o agrupamento militar no mar de Azov, escolheram definitivamente o rumo político de fidelidade aos EUA e de geração de maior tensão na fronteira com a Rússia, disse o cientista político russo Aleksandr Formanchuk.


Sputnik

O Conselho de Defesa e Segurança Nacional ucraniano (RNBO, na sigla em ucraniano) ordenou o fortalecimento da presença militar no mar de Azov e o fornecimento de mísseis às unidades de defesa costeira. Segundo o vice-ministro da Infraestrutura ucraniano, Yuri Lavrenyuk, duas lanchas blindadas foram enviadas para o mar de Azov.

Fragata da Marinha ucraniana
Fragata ucraniana | CC BY-SA 2.0 / Ministry of Defense of Ukraine

A Ucrânia não é capaz de criar um grande agrupamento militar no mar de Azov, pois eles não possuem condições, mas querem medir forças, demonstrando que estão prontos. Agora, o governo ucraniano juntamente com o presidente do país, Poroshenko, se incorporou totalmente na política de lealdade a Washington. Todos os cálculos são feitos para apoiar a Casa Branca, por isso existe o desejo de elevar a presença militar no mar de Azov gerando tensão na fronteira russa, segundo Formanchuk, que acredita que o principal objetivo de Kiev é gerar premissas para um conflito armado com a Rússia.

Kiev acusa Moscou de bloqueio da entrada de navios que prosseguem para os portos ucranianos através do Estreito de Kerch, devido a isso os navios sofrem paragens que resultam em prejuízos. De acordo com a vice-ministra das Relações Exteriores, Olena Zerkal, a guarda fronteiriça russa não estão quebrando o protocolo durante a inspeção de navios ucranianos no mar de Azov.

A Marinha ucraniana reconhece que o país não possui uma grande frota, mas diz que é uma frota eficaz. Além disso, a Marinha ucraniana informou que estão elaborando com especialistas estrangeiros as estratégias de desenvolvimento para desenvolvimento da frota até 2035.

Comentários

Postagens mais visitadas