Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Ameaças dos EUA não farão Irã deixar a Síria, diz ex-chefe do Pentágono

Segundo o ex-chefe do Pentágono, Chuck Hagel, o número limitado de tropas dos EUA não pode fazer sair as forças do Irã da Síria.


Sputnik

Hagel declarou ao site Defense One que "[…] os EUA não controlam nem sequer metade da Síria […]" e que "[…] com 2.000 soldados americanos você não consegue tirar as tropas iranianas da Síria", enfatizando que seria "[…] uma loucura completa acreditar que se conseguiria ameaçar os sírios, iranianos ou russos […]".

Chuck Hagel, foto de arquivo de 5 de fevereiro de 2015, durante o seu prazo na pasta de Secretário da Defesa dos EUA
Chuck Hagel | © AP Photo / Virginia Mayo

Ele ainda desejou boa sorte a John Bolton, conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, enfatizando que, no caso da Síria, não há outro caminho a não ser encontrar uma solução política baseada nos interesses comuns dos países envolvidos.

Os comentários do ex-chefe do Pentágono surgiram após uma declaração de Bolton aos repórteres, onde este afirmava que as forças americanas "[…] não deixariam a Síria antes das tropas iranianas […]". Para Hagel, o envio de 2.000 soldados não cria nenhuma estabilidade na Síria, já que no local há forças russas e iranianas, não se tratando de um local onde não haja força alguma.

James Jeffrey, representante especial americano para a Síria, comentou as críticas feitas por Hagel, dizendo que tanto a Rússia como os EUA não poderiam retirar as tropas iranianas da Síria, pois a presença delas é resultado de uma solicitação formal do governo de Damasco, declarando que "tecnicamente o governo da Síria convidou os iranianos".

Além disso, Jeffrey informa que mesmo que o presidente americano opte pela permanência das tropas americanas na Síria até à saída das tropas iranianas do território, isso não significa que haverá conflitos no território.

Já Assad afirma que Damasco solicitou a ajuda de tropas iranianas e russas e que em momento algum solicitou a presença das tropas americanas, francesas, turcas e israelenses, sendo estas descritas por ele como "forças de ocupação".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas