Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Irã ameaça romper limite de reservas de urânio; entenda o que país pode fazer se sair de acordo nuclear

Sem regulação, país pode adotar equipamentos mais modernos e rápidos e ampliar volume de enriquecimento de material que pode ser usado em armas nucleares. Acordo foi firmado em 2015 entre Irã e mais seis países, mas Trump retirou EUA em maio de 2018.
Associated Press

O Irã anunciou que irá exceder o limite de reservas de urânio determinado pelo acordo nuclear de 2015, ampliando as tensões no Oriente Médio.

O prazo de 27 de junho dado por Teerã vem antes de outra data limite, 7 de julho, para que a Europa apresente melhores termos para que o país permaneça no acordo. Se essa segunda data passar sem nenhuma ação, o presidente iraniano Hassan Rouhani diz que a república islâmica irá provavelmente retomar o alto enriquecimento de urânio.

Veja a seguir em que situação está o programa nuclear do Irã atualmente:

O acordo nuclear

O Irã fechou um acordo nuclear em 2015 com Estados Unidos, França, Alemanha, Reino Unido, Rússia e China. O acordo, formalmente conhecido como Plano de Ação Conjunto Abran…

Analista: suposta provocação no Ártico faz 'parte da guerra de informação' contra Rússia

O general holandês Jeff Mac Mootry acusou navios e aviões russos de tentarem provocar as forças holandesas e britânicas enquanto realizam manobras no Ártico. Para o analista russo Igor Korotchenko as acusações fazem parte de uma guerra de informação contra a Rússia.


Sputnik

O comandante dos fuzileiros navais da Marinha holandesa afirmou que o número de navios russos aumentou significativamente. Na opinião dele, a ação dos aviões russos de sobrevoarem a uma curta distância os navios da OTAN, é considerada de "provocação".

Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov estacionado na Frota do Norte da Rússia (foto de arquivo)
Cruzador nuclear pesado russo Admiral Nakhimov © Sputnik / Oleg Lastochkin

Comentando a notícia, o analista militar russo Igor Korotchenko sublinhou que a Rússia cumpre rigorosamente todas as regras durante suas ações militares.

Para ele, a fala do general holandês é parte de uma guerra de informação contra a Rússia.

"Acusações em relação à Rússia têm aparecido constantemente. Infelizmente, EUA, Reino Unido e outros países ocidentais se juntaram à Holanda. A ministra da Defesa deste país disse que eles estão, de fato, em um estado de guerra de informação com a Rússia. Pelo visto, isso é outro exagero [da retórica antirrussa]", opinou Korotchenko.

Segundo o analista, quando militares russos seguem trajetórias perto de forças estrangeiras, Moscou cumpre todas as normas para evitar incidentes, por isso "as acusações da Holanda são inventadas, sendo parte daquela guerra de informação que o país estaria travando com a Rússia".

O ex-comandante da Frota do Báltico, Vladimir Valuev, compartilha da opinião do analista, destacando que as forças russas realizam manobras em conformidade com o Regulamento Internacional para Evitar Abalroamentos no Mar (RIPEAM-72) estabelecido em 1972.

"De acordo com este regulamento, ninguém pode proibir a Rússia de realizar manobras no espaço aéreo e em águas abertas. Se um navio cruzar a trajetória de outro navio a uma distância menor do que a indicada no regulamento, então esse incidente é registrado e se inicia o processo com a aplicação de medidas. Se nenhum incidente deste tipo for registrado, então [as acusações] são meros boatos", disse o militar.

No fim de setembro, o chefe do Ministério da Defesa britânico, Gavin Williamson, anunciou uma nova estratégia de defesa britânica no Ártico elaborada majoritariamente como reação à suposta ameaça proveniente dos submarinos russos no Extremo Norte e no Atlântico Norte.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas