Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como governo Trump esvaziou resolução da ONU contra estupro em guerras

A oposição do presidente americano, Donald Trump, à legalização do aborto levou ao esvaziamento de uma resolução das Nações Unidas contra o uso de violência sexual como arma de guerra.
BBC News Brasil

Os Estados Unidos retiraram todas as referências a "saúde sexual e reprodutiva" do texto, o que, na prática, reduz o peso da resolução. O documento havia sido submetido pela Alemanha ao Conselho de Segurança da ONU. Estados Unidos, China e Rússia ameaçaram vetá-lo, se fosse mantida a redação original.

O governo Trump se opôs às menções à "saúde sexual e reprodutiva" das mulheres, com o argumento de que esse termo indica apoio ao aborto. Uma versão da resolução que exclui essa frase foi aprovada por 13 votos a 0, com abstenções de Rússia e China.

O embaixador da França nas Nações Unidas, François Delattre, criticou a exclusão do trecho, dizendo que a decisão afeta a dignidade das mulheres.

"É intolerável e incompreensível que o Conselho de Segurança da ONU seja incapaz…

'Assassinato de jornalista foi planejado com antecedência', diz presidente turco

TV britânica, citando fontes anônimas, informou que partes do corpo do jornalista Jamal Khashoggi foram encontradas na residência de cônsul.


Por Jornal Nacional

A rede de televisão britânica Sky News divulgou nesta terça-feira (23), que pedaços do corpo do jornalista do “Washington Post” Jamal Khashoggi foram encontrados na residência do cônsul saudita em Istambul, na Turquia. Ele desapareceu há três semanas, depois de entrar no consulado.

Resultado de imagem para jamal khashoggi

Citando fontes anônimas, a emissora disse que restos mortais do jornalista teriam sido encontrados no jardim da casa do diplomata, que fica a poucos metros do consulado.

O presidente turco Recep Erdogan disse que não vai permitir que a Arábia Saudita trate a morte do jornalista Jamal Khashoggi como um simples acidente.

No Congresso ele afirmou: “Nós temos evidências mostrando que isso foi um assassinato planejado com antecedência”, ele disse.

Na segunda-feira (22), imagens mostraram um dos envolvidos usando as roupas do jornalista como se fosse Khashoggi saindo do consulado.

Erdogan fez um apelo ao rei Salman. Ele quer que os 15 agentes sauditas que estavam em Istambul no dia do desaparecimento sejam julgados na Turquia. O presidente turco afirmou que um assassinato brutal como esse não pode ser acobertado com imunidade diplomática e perguntou: “Como nós podemos aceitar que o corpo ainda não tenha sido encontrado?”

Erdogan não citou o nome do príncipe herdeiro, Mohamed bin Salman, que controla o governo e o aparato de segurança saudita. Mas ele é suspeito de saber o que estava sendo planejado contra Jamal Khashoggi ou, pior, ter autorizado a ação.

Nesta terça-feira (23), o príncipe e o rei Salman se reuniram com o filho do jornalista em Riad. Mohamed bin Salman depois foi a uma conferência organizada pelo reino e boicotada por grande parte da comunidade internacional e foi recebido com aplausos.

Há três semanas, o governo americano está dividido entre aceitar as explicações sauditas e ter que lidar com as evidências cada vez mais claras do envolvimento da família real no crime. O cuidado da Casa Branca tem razões econômicas. Estão em jogo centenas de bilhões de dólares em venda de armas para a Arábia Saudita, e o petróleo que os Estados Unidos compram dos árabes.

Nesta terça (23) o presidente Donald Trump disse que a Arábia Saudita é um grande aliado e um dos maiores investidores dos Estados Unidos, mas o jeito com que o país quis abafar o caso foi o pior de todos os tempos.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas