Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Como governo Trump esvaziou resolução da ONU contra estupro em guerras

A oposição do presidente americano, Donald Trump, à legalização do aborto levou ao esvaziamento de uma resolução das Nações Unidas contra o uso de violência sexual como arma de guerra.
BBC News Brasil

Os Estados Unidos retiraram todas as referências a "saúde sexual e reprodutiva" do texto, o que, na prática, reduz o peso da resolução. O documento havia sido submetido pela Alemanha ao Conselho de Segurança da ONU. Estados Unidos, China e Rússia ameaçaram vetá-lo, se fosse mantida a redação original.

O governo Trump se opôs às menções à "saúde sexual e reprodutiva" das mulheres, com o argumento de que esse termo indica apoio ao aborto. Uma versão da resolução que exclui essa frase foi aprovada por 13 votos a 0, com abstenções de Rússia e China.

O embaixador da França nas Nações Unidas, François Delattre, criticou a exclusão do trecho, dizendo que a decisão afeta a dignidade das mulheres.

"É intolerável e incompreensível que o Conselho de Segurança da ONU seja incapaz…

Avião de espionagem chinês atravessa zona aérea sul-coreana sem avisar

Aeronave da Coreia do Sul intercepta avião militar chinês que entrou na zona de identificação de defesa aérea sul-coreana.


Sputnik

Mais uma vez, uma aeronave de reconhecimento chinesa fez disparar alarmes na Coreia do Sul, por voar perto da ilha Ieo, uma rocha submersa no mar Amarelo que abriga uma estação de pesquisa sul-coreana. Interceptadores sul-coreanos foram mobilizados para rastrear o avião.


Resultado de imagem para Shaanxi Y-9
Shaanxi Y-9 | Reprodução

O Estado-Maior Conjunto da Coreia do Sul informou nesta segunda-feira (29) que um avião militar chinês entrou na zona de identificação de defesa aérea do país sem aviso prévio, fazendo com que a Força Aérea enviasse caças F-15K e KF-16 para interceptá-lo, informou a agência de notícias Yonhap.

O avião foi identificado como uma aeronave de reconhecimento Shaanxi Y-9, um avião de transporte que pode ser reequipado para uma ampla variedade de funções, desde aeronave eletrônica até aeronave de alerta aéreo. O avião entrou na zona de identificação de defesa aérea sul-coreana (KADIZ, na sigla em inglês) às 10h03m, horário local, e saiu meia hora depois. Depois de virar para sul em direção à rocha de Socotra, o avião voltou e entrar na zona às 15h02m e permaneceu lá por um período mais longo.

"Ele voou por cerca de duas horas na KADIZ de um voo de duração total de cinco horas após ter entrado na KADIZ", disse um oficial da JCS à Yonhap.

A rocha de Socotra, também chamada Ilha Ieo em coreano, é uma rocha submersa que não é reivindicada por nenhuma nação, mas como a Coreia do Sul opera uma estação científica em uma plataforma na parte superior do monte submerso, tem um interesse especial no local, que se localiza apenas 150 km da ilha de Jeju.

De acordo com o jornal The Mainichi, o avião chinês não violou o espaço aéreo sul-coreano. A zona de identificação de defesa aérea, não definida por tratado ou acordo internacional, é simplesmente uma área que se estende na zona de alcance dos radares no território de um país, onde os aviões estrangeiros que se aproximam desse território podem ser identificados. Esta foi a sexta travessia dessa zona por aviões chineses neste ano, quase todos com aeronaves de reconhecimento Y-9.

O Ministério da Defesa e o Ministério das Relações Exteriores sul-coreanos apresentaram uma queixa ao governo chinês. O Ministério da Defesa apelou ao coronel chinês Zhou Yuming para que a China reconheça a gravidade da situação e tome medidas para garantir que isso não volta a ocorrer novamente.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas