Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Bolton diz que arsenal da China viola tratado sobre armas nucleares

O assessor de segurança nacional dos Estados Unidos, John Bolton, denunciou nesta terça-feira que o governo da China viola o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).


EFE

Moscou - Em entrevista coletiva em Moscou, Bolton explicou algo em torno de um terço ou metade do arsenal nuclear chinês viola o tratado assinado em 1987 entre a extinta URSS e os EUA.


EFE/ Sergei Ilnitsky
John Bolton | EFE/ Sergei Ilnitsky

Bolton destacou que atualmente "há uma nova realidade estratégica" que não está contemplada no tratado que data dos tempos da Guerra Fria. O assessor também mencionou a China e a Coreia do Norte como novas partes dessa realidade.

"Atualmente existe uma nova realidade estratégica e há novas necessidades e exigências que não fazem parte dos postulados do tratado existente", disse Bolton, ao acrescentar que essa nova situação preocupa da mesma maneira os russos e os americanos.

Segundo ele, os EUA ainda não fizeram uma "declaração oficial" de abandono do tratado INF, mas a denúncia deste acordo não destruirá a estabilidade estratégica, como não aconteceu com a saída de Washington do tratado sobre a defesa antimísseis.

"Veremos primeiro qual é a situação real. O tratado foi transgredido, está obsoleto e não abrange absolutamente todas as partes interessadas", analisou Bolton ao destacar que apenas os Estados Unidos cumpriram o INF.

"Só um país está constrangido pelo INF: os Estados Unidos", ressaltou.

Bolton declarou que a Rússia iniciou, em 2008, testes com mísseis de cruzeiro com um alcance proibido pelo INF e "tentou ocultar" a atividade. Os EUA denunciaram o caso em maio de 2013 e, desde então, o assunto se tornou ponto de discussão com o governo russo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas