Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Chanceler saudita reclama de histeria internacional após morte de Khashoggi

O ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir, se queixou neste sábado que a resposta internacional pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, cometido há três semanas no consulado saudita em Istambul (Turquia), tem sido "histérica".


EFE

"A questão se tornou histérica. As pessoas estão culpando a Arábia Saudita antes de completar a investigação", disse Al-Jubeir, durante discurso no fórum Diálogo Manama, organizado pelo Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS), em Bahrein.

Foto de arquivo do ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir. EFE/EPA/AHMED YOSRI
Foto de arquivo do ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir. EFE/EPA/AHMED YOSRI

O chanceler saudita reiterou que seu país deixou "muito claro" que investigará o caso, que compartilhará os resultados das investigações e punirá os responsáveis "para assegurar que isto não aconteça novamente".

O Ministério Público da Arábia Saudita reconheceu, na última quinta-feira, que a morte de Khashoggi, ocorrida no dia 2 deste mês, foi um assassinato premeditado.

A Turquia pediu que a Arábia Saudita providencie a extradição dos 18 suspeitos do assassinato, para que sejam julgados pelos tribunais turcos.

No mesmo evento que Adel al-Jubeir, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, afirmou hoje que o assassinato de Khashoggi "mina a segurança regional".

"O assassinato de Khashoggi deve preocupar a todos. O fracasso que qualquer nação em aderir às normas internacionais e do Estado de Direito mina a estabilidade regional em um momento em que é necessário", disse Mattis, em seu discurso.

Apesar das suas declarações sobre Khashoggi, Mattis reiterou o compromisso de seu país com seus aliados árabes contra o Irã, a quem acusou de apoiar a Al Qaeda, além de armar outros grupos terroristas e de ameaçar a segurança marítima.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas