Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Chefe do Pentágono: EUA 'não podem aceitar' a 'militarização no Mar do Sul da China

O secretário de Defesa dos Estados Unidos, James Mattis, reiterou a posição de Washington sobre o mar do Sul da China, pedindo que o Japão e a Coreia do Sul trabalhem com os Estados Unidos no mar para evitar que uma única potência domine suas águas.


Sputnik

"Acho que todos nós estamos unidos — ASEAN [Associação de Nações do Sudeste Asiático] aliados e parceiros — e afirmamos que nenhuma nação pode reescrever as regras internacionais e esperar que todas as nações, grandes e pequenas, respeitar essas regras", disse o secretário de defesa após uma reunião com autoridades japonesas e sul-coreanas em Cingapura, informou o The Hill.


O secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis e o ministro da Defesa da China, Wei Fenghe juntos durante uma cerimônia de boas-vindas no Edifício Bayi, em Pequim.
James Mattis e Wei Fenghe © AP Photo / Mark Schiefelbein

O chefe de Defesa disse que os EUA continuariam a "sobrevoar, navegar e operar onde a lei internacional permitir e os interesses nacionais exigirem", antes de declarar que os EUA "não podem aceitar a militarização do Mar do Sul da China ou qualquer coerção". nessa região."

Pequim tem disponibilizado uma enorme quantidade de recursos militares em áreas estratégicas do Mar do Sul da China para "fins de defesa nacional". O mar, rico em recursos, também é imensamente importante para o comércio dentro e fora da Ásia. A soberania sobre as águas é reclamada por numerosos países do sudeste asiático, cada um reivindicando direitos exclusivos frequentemente sobrepostos a recifes, ilhotas e águas pesqueiras dentro da área.

As ilhas Spratly e as ilhas Paracel estão entre os territórios mais frequentemente disputados. Pequim, Taiwan, Vietnã, Malásia e Filipinas reivindicaram porções das Spratly, enquanto Pequim, Taiwan e Vietnã disputam a soberania sobre as Paracels. A China exerce controle de fato sobre as Paracels desde 1974.

Os EUA frequentemente consternação com a construção de postos avançados e instalações militares chineses em ilhas artificiais no Mar do Sul da China, mas as ações costumam se restringir a denúncias internacionais e advertências verbais. Entretanto, os navios da Marinha dos EUA realizam operações de "liberdade de navegação" nessas áreas, e os bombardeiros da Força Aérea dos EUA às vezes conduzem "sobrevoos" sobre o Mar do Sul da China.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas