Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Classe Tamandaré: decisão só em março de 2019

O Comando da Marinha anunciará, possivelmente na semana que vem, o adiamento, para março de 2019, da decisão sobre o consórcio que construirá os escoltas da Classe Tamandaré.


Roberto Lopes | Poder Naval

Quatro associações empresariais, lideradas por indústrias navais da Holanda (Damen), Alemanha (TKMS), Itália (Fincantieri) e França (Naval Group), foram selecionadas (entre nove conjuntos de empresas interessados) para integrar um short list.


Concepção em 3D da corveta classe Tamandaré
Projeto da corveta classe Tamandaré do CPN

O motivo do adiamento se deve à inauguração de um novo governo, em janeiro, e à conveniência de que se permita ao presidente eleito e ao seu ministro da Defesa opinarem sobre o assunto.

Não há previsão de alterações na short list.

A nova fase de análises vai priorizar o exame de preços e condições de financiamento, além de itens como prazo de entrega, condições de navegabilidade das embarcações propostas, sua autonomia e capacidade de receber armamento.

Todos os consórcios deverão apresentar uma última oferta melhorada das suas propostas originais, a chamada Best and Final Offer (BAFO).

Com o anúncio do adiamento será divulgado também o novo cronograma que irá reger a fase final do Programa da Classe Tamandaré.

Navios suecos 

Em razão dessa novidade, o final do ano de 2018 irá se resumir, para a Marinha, à expectativa do lançamento ao mar do submarino classe Scorpène SBR-1, batizado de Riachuelo – evento programado para 14 de dezembro –, e à liberação da verba que se encontra contingenciada e se destina à compra de dois navios suecos usados de contra-medidas de minagem.

Os dois barcos serão modernizados na Suécia e custarão à Marinha a quantia de 230 milhões de dólares. A chegada dessas unidades ao Brasil está prevista para o ano de 2021.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas