Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Corpo de Fuzileiros Navais realiza Operação Formosa 2018 (VIDEO)

De 21 de setembro a 03 de outubro de 2018, a Força de Fuzileiros da Esquadra (FFE) realizou o exercício ADEST FER II, mais conhecido como “Operação Formosa”, no Campo de Instrução de Formosa (CIF), pertencente ao Exército Brasileiro, em Goiás. 


Forças Terrestres
Considerado o maior adestramento da Marinha do Brasil no Planalto Central, o propósito da operação é manter as condições de pronto emprego dos militares da FFE, particularmente da Força de Emprego Rápido (FER).


O exercício reveste-se de grande importância para o Corpo de Fuzileiros Navais, que, conforme reconhecido na Estratégia Nacional de Defesa, é uma força de caráter expedicionário por excelência. Assim, a manutenção de sua condição de pronto emprego exige treinamentos em variados ambientes operacionais, tais como áreas litorâneas, áreas urbanas, selva, áreas ribeirinhas e cerrado. Essa condição de prontidão permanente materializa o preparo da Marinha do Brasil para a proteção da “Amazônia Azul”, além de assegurar a capacidade de atuação em todo espectro das operações e ações de Guerra Naval, atividades de Emprego Limitado da Força e Atividades Benignas, conforme previsto na Doutrina Militar Naval.

A Operação Formosa 2018 envolveu cerca de 1.600 militares e contou com a participação de Fuzileiros Navais de Marinhas Amigas, tais como Estados Unidos da América e Paraguai. O exercício envolveu o emprego de aeronaves, veículos blindados, carros lagarta anfíbios (CLAnf), mísseis superfície-ar (MSA), aeronaves remotamente pilotadas (ARP), obuseiros de artilharia e lançadores múltiplos de foguetes ASTROS. Todos os armamentos e sistemas de armas utilizaram munição real.

No dia 03 de outubro, ocorreu uma Demonstração Operativa (DemOp) que simulou de forma didática a realização de uma Operação Anfíbia. A DemOp teve o propósito de apresentar ao público uma síntese das principais atividades realizadas pelos Fuzileiros Navais. Participaram do evento o Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, o Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, Almirante de Esquadra Ademir Sobrinho, autoridades da Marinha do Brasil, Exército Brasileiro e da Força Aérea Brasileira, além de membros da imprensa, Sociedade Amigos da Marinha, e da Associação de Veteranos do Corpo de Fuzileiros Navais.

FONTE: Marinha do Brasil


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas