Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

Corvetas russas se transformarão em robôs de combate graças a novo sistema

Graças ao novo sistema Sigma-20385, as corvetas russas da classe Stereguschy (projeto 20380) e os grupos táticos compostos por tais embarcações poderão operar e controlar as embarcações em missões de combate sem a participação das tripulações, informa uma edição russa citando uma fonte militar.


Sputnik

Estes navios russos contarão com o sistema de gestão de combate robotizado Sigma-20385, projetado após o início da produção em série das corvetas, afirma o jornal Izvestia, referindo-se ao Alto Comando da Marinha russa.

Da esquerda para a direita: corveta Steregushchy, contratorpedeiro Nastoichivy e fragata Admiral Gorshkov estão ancorados na base da frota russa em Baltiysk na região de Kaliningrado, na Rússia. 19 de julho de 2015.
Corveta Steregushchy, contra-torpedeiro Nastoichivy e fragata Admiral Gorshkhov © REUTERS / Maxim Shemetov

Desse jeito, o Sigma-20385 transformará esses navios em robôs capazes de realizar suas missões sem intervenção humana, diz a edição.

Trata-se de um centro de processamento de informações, que coordena todos os postos de comando, armamentos e que irá controlar as manobras táticas do navio onde está instalado, comandar seus sistemas de defesa antiaérea, antissubmarino e antimíssil, helicópteros embarcados, caças e bombardeiros, acrescenta.

Na verdade, graças a este "cérebro eletrônico" o papel da tripulação será apenas monitorar e controlar o funcionamento do sistema.

O Sigma-20385 é capaz de controlar não apenas navios separados, mas também grupos táticos. Seu software desenvolvido com base no OC Linux permite desenvolver e implementar facilmente novas soluções. Além disso, ele poderá operar mesmo se a embarcação que ele equipa estiver muito danificada, sublinha a fonte do jornal.

Segundo a publicação, esses "cérebros eletrônicos" serão instalados nas corvetas construídas para a Frota do Pacífico e Frota do Norte e deverão entrar em serviço entre 2019 e 2021. Quanto aos navios desta classe já utilizados pela Marinha russa, eles também serão equipados com o Sigma-20385.

Comentários

Postagens mais visitadas