Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Diplomata russo sobre saída de Washington do INF: 'EUA estão preparando uma guerra'

A Rússia está pronta para se defender a si mesma e seus interesses, ao contrário dos EUA, que estão preparando uma guerra, afirmou Andrei Belousov, vice-chefe do Departamento de Questões de não Proliferação e Controle de Armamentos do Ministério das Relações Exteriores da Rússia.


Sputnik

O diplomata falava na reunião do Primeiro Comitê da Assembleia Geral da ONU, que está estudando as questões do desarmamento e os assuntos da segurança internacional.


Resultado de imagem para Andrei Belousov
Andrei Belousov, vice-chefe do Departamento de Questões de não Proliferação e Controle de Armamentos do Ministério das Relações Exteriores da Rússia

"Aqui recentemente, na reunião [do comitê], os EUA vieram afirmar que a Rússia está se preparando para uma guerra. Sim, a Rússia está se preparando para uma guerra, eu confirmo. Sim, estamos nos preparando para defender a nossa Pátria, a nossa integridade territorial, nossos princípios, nosso povo. Estamos nos preparando para tal guerra", assinalou Belousov.

"Mas temos várias diferenças em relação aos EUA. Em termos linguísticos, essa diferença constitui somente uma palavra, na língua russa e inglesa: a Federação da Rússia está se preparando para uma guerra, e os EUA estão preparando uma guerra", assinalou Belousov, depois de o comitê ter votado contra o projeto russo de resolução sobre o Tratado INF.

"Se não, por que é que os EUA precisam sair do tratado, incrementar seu potencial nuclear, adotar uma nova doutrina nuclear, que diminui o nível de utilização das armas nucelares? É uma questão para todos nós", ressaltou o diplomata.

O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de ter mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com um alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

Em 20 de outubro, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que seu país abandonaria o Tratado INF, alegando supostas violações do acordo pela Rússia.

Mais tarde, o presidente estadunidense acrescentou que os EUA aumentarão suas capacidades nucleares até que os outros países, como a Rússia e a China, "retomem a razão".

Comentários

Postagens mais visitadas