Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

'Eficaz e mortífero': imprensa dos EUA avalia bombardeiro modernizado Tu-22

O avião russo Tu-22M3M parece ser muito conhecido. Contudo, este antigo bombardeiro pode demonstrar novos truques que o tornam bastante mortífero, de acordo com a edição norte-americana The National Interest.


Sputnik

O autor da matéria recordou que o bombardeiro foi adotado em serviço do exército soviético ainda na década de 70 do século passado. Sua geometria variável permitiu aumentar a massa à decolagem e atingir capacidades máximas voando a velocidades supersônicas.

Tu-22M3M, bombardeiro modernizado russo, é visto durante a cerimônia de rolagem, na Fábrica de Aviões de Kazan
Tupolev Tu-22M3M © Sputnik / Maksim Bogodvid

Com o desenvolvimento dos sistemas de defesa antiaérea, a eficácia de combate da aeronave diminuiu. Contudo, as modernizações seguintes, especialmente a última versão, Tu-22M3M, fizeram com que o avião tenha voltado a ser um aparelho mortífero, segundo a edição.

O novo bombardeiro possui um raio de ação ampliado, ele é utilizado como portador de mísseis de cruzeiro de grande raio de ação que pode atacar alvos de superfície e terrestres, sem entrar na zona de defesa antiaérea.

"A versão atual do Tu-22M3 pode lançar mísseis sem entrar na zona de intercepção do grupo operacional da Marinha dos EUA, especialmente quando os caças F-14 Tomcat já foram retirados do serviço", escreveu o autor do artigo, Sebastien Roblin.

Entretanto, a edição apontou que na modificação M3M 80% da aviônica foram renovados. O avião recebeu sistemas de radar inovadores, bem como de navegação e guerra eletrônica, além de uma cabine digital moderna e mecanismos de controle. Contudo, a principal novidade será a possibilidade de o Tu-22M3M utilizar o míssil de cruzeiro Kh-32. A munição, graças à sua altitude e velocidade de voo, bem como a entrada a pique no final do voo, é capaz de contornar os meios de defesa antimíssil.

Roblin assinalou que, segundo afirmações de fontes na indústria, o Tu-22M3M será dotado de inteligência artificial para aperfeiçoar a precisão de pontaria.

Além disso, o bombardeiro modernizado poderá portar mísseis Kinzhal. O autor indicou que, neste caso, o alcance dos mísseis será aumentado quase 50%, até mais de 3.000 km. Os mísseis Kh-32 e Kinzhal também podem portar ogivas nucleares, acrescentou o autor. Sebastien Roblin assinalou que há também suposições que o Tu-22M3M poderá portar mísseis Kh-55. Neste caso, a aeronave se tornará uma arma estratégica.

Em caso de um conflito em grande escala, o bombardeiro poderia ser utilizado, em primeiro lugar, para efetuar ataques navais, sendo que a modernização até à versão M3M fará com que a aeronave possa utilizar seus armamentos de forma eficaz e relativamente segura, ressaltou o autor.

Comentários

Postagens mais visitadas