Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

'Eficaz e mortífero': imprensa dos EUA avalia bombardeiro modernizado Tu-22

O avião russo Tu-22M3M parece ser muito conhecido. Contudo, este antigo bombardeiro pode demonstrar novos truques que o tornam bastante mortífero, de acordo com a edição norte-americana The National Interest.


Sputnik

O autor da matéria recordou que o bombardeiro foi adotado em serviço do exército soviético ainda na década de 70 do século passado. Sua geometria variável permitiu aumentar a massa à decolagem e atingir capacidades máximas voando a velocidades supersônicas.

Tu-22M3M, bombardeiro modernizado russo, é visto durante a cerimônia de rolagem, na Fábrica de Aviões de Kazan
Tupolev Tu-22M3M © Sputnik / Maksim Bogodvid

Com o desenvolvimento dos sistemas de defesa antiaérea, a eficácia de combate da aeronave diminuiu. Contudo, as modernizações seguintes, especialmente a última versão, Tu-22M3M, fizeram com que o avião tenha voltado a ser um aparelho mortífero, segundo a edição.

O novo bombardeiro possui um raio de ação ampliado, ele é utilizado como portador de mísseis de cruzeiro de grande raio de ação que pode atacar alvos de superfície e terrestres, sem entrar na zona de defesa antiaérea.

"A versão atual do Tu-22M3 pode lançar mísseis sem entrar na zona de intercepção do grupo operacional da Marinha dos EUA, especialmente quando os caças F-14 Tomcat já foram retirados do serviço", escreveu o autor do artigo, Sebastien Roblin.

Entretanto, a edição apontou que na modificação M3M 80% da aviônica foram renovados. O avião recebeu sistemas de radar inovadores, bem como de navegação e guerra eletrônica, além de uma cabine digital moderna e mecanismos de controle. Contudo, a principal novidade será a possibilidade de o Tu-22M3M utilizar o míssil de cruzeiro Kh-32. A munição, graças à sua altitude e velocidade de voo, bem como a entrada a pique no final do voo, é capaz de contornar os meios de defesa antimíssil.

Roblin assinalou que, segundo afirmações de fontes na indústria, o Tu-22M3M será dotado de inteligência artificial para aperfeiçoar a precisão de pontaria.

Além disso, o bombardeiro modernizado poderá portar mísseis Kinzhal. O autor indicou que, neste caso, o alcance dos mísseis será aumentado quase 50%, até mais de 3.000 km. Os mísseis Kh-32 e Kinzhal também podem portar ogivas nucleares, acrescentou o autor. Sebastien Roblin assinalou que há também suposições que o Tu-22M3M poderá portar mísseis Kh-55. Neste caso, a aeronave se tornará uma arma estratégica.

Em caso de um conflito em grande escala, o bombardeiro poderia ser utilizado, em primeiro lugar, para efetuar ataques navais, sendo que a modernização até à versão M3M fará com que a aeronave possa utilizar seus armamentos de forma eficaz e relativamente segura, ressaltou o autor.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas