Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Entenda as chances de Argentina ameaçar soberania britânica nas Malvinas

Atualmente vem sendo discutida uma suposta invasão às ilhas Malvinas pelo Exército argentino. Para esclarecer o caso, a Sputnik Mundo conversou com especialistas e veteranos de ambos os lados do conflito.


Sputnik

Recentemente foi publicado pelo jornal britânico Express diversos artigos alegando que a Argentina estaria realizando exercícios militares, onde estariam simulando uma invasão às ilhas Malvinas. Para o veterano general britânico, Julian Thompson, que participou do conflito de 1982, o desembarque poderia ser realizado caso o partido trabalhista, que é o principal movimento opositor no Reino Unido, chegasse ao poder.


Soldados argentinos no Monumento aos Soldados Caídos durante a Guerra das Malvinas, Argentina, 2 de abril de 2007
Militares argentinos © AP Photo / Eduardo Di Baia

Segundo o veterano, "é improvável que Jeremy Corbyn [líder do partido trabalhista] utilize a força militar para defender as ilhas". Entretanto, o membro da Assembleia Legislativa das Malvinas, Mark Pollard, confessou ao Express que teme a "constante ameaça da Argentina".

O coronel aposentado, Omar Locatelli, formado em História da Guerra, afirmou à Sputnik que "as Forças Armadas da Argentina de modo algum pensam em invadir as Malvinas e que os exercícios foram realizados para celebrar os 200 anos da batalha de Maipú, que ocorreu em solo chileno, ocasionando na independência do Chile. Além disso, as Forças Armadas da Argentina estão focadas na luta contra o narcotráfico e outros crimes derivados, especialmente em suas fronteiras".

Já o veterano Edgardo Estevan afirmou que esse boato "é uma estupidez", pois atualmente há um acordo com o Reino Unido e não há nenhuma questão a ser tratada sobre a soberania das Malvinas.

Sobre a cúpula do G20, que ocorrerá em algumas semanas e contará com a presença da primeira-ministra britânica Theresa May, o veterano afirma que "opta pela paz, pelo diálogo, respaldo e pelas resoluções entre todos os órgãos internacionais e regionais para um diálogo com o Reino Unido, pois a soberania sobre as ilhas Malvinas é um direito de toda a América Latina, e não somente da Argentina" e que "essas notícias [sobre a invasão] é um absurdo, já que as Forças Armadas da Argentina estão desmanteladas".

Pelo lado britânico, o doutor Alasdair Pinkerton, professor da Universidade Royal Holloway de Londres, destacou que é preciso recordar que exercícios militares sempre ocorrem, inclusive o Reino Unido participa de diversas eventualidades, portanto, essas práticas militares podem ser vistas como cotidianas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas