Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Erdogan: comissão constitucional síria deve iniciar os trabalhos em 2019

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, classificou a cúpula sobre Síria em Istambul de produtiva e disse que esta reunião irá ampliar o formato de discussões em Astana.


Sputnik

O presidente ressaltou que durante o encontro foi confirmado o acordo russo-turco sobre a situação em Idlib.


Russian President Vladimir Putin, French President Emmanuel Macron, German Chancellor Angela Merkel and Turkish President Recep Tayyip Erdogan (right) during the meeting on Syria, October 27, 2018.
Vladimir Putin, Emmanuel Macron, Angela Merkel e Recep Tayyip Erdogan © Sputnik / Mikhail Klimentyev

"Com a chegada da França e da Alemanha conseguimos avaliar as formas de melhorar a cooperação no formato de Astana", disse o chefe de Estado.

Erdogan disse que os quatro países defendem a integridade territorial da Síria, bem como sua unidade política, e não consideram possível uma solução militar para o conflito.

"Confirmamos os nossos acordos sobre Idlib, que evitarão uma crise humanitária. Informaremos o Irã [dos resultado] e continuaremos a cooperar para a resolução do conflito sírio", acrescentou o presidente.

Erdogan destacou ter concordado com os seus três colegas sobre a necessidade de criar, antes do final do ano, a comissão constitucional na Síria, que deve começar a trabalhar em 2019.

Istambul sediou neste 27 de outubro uma reunião de cúpula da Rússia, Turquia, Alemanha e França, que discutiu medidas para acelerar a solução política para a crise na Síria, reforçar a segurança do país árabe e criar condições para o regresso dos refugiados sírios para seu país de origem.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas