Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA: sanções contra Venezuela servem como 'alerta para atores externos, incluindo Rússia'

Na última terça-feira (17), o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, culpou a Rússia e a Venezuela pela crise de refugiados observada no país latino-americano.
Sputnik

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, anunciou nesta quarta-feira (17) que os EUA estão impondo uma nova rodada de sanções contra a Venezuela, acrescentando o banco central do país à lista de restrições. 

Segundo o conselheiro de Segurança Nacional, as sanções recém-aplicadas deveriam se tornar um alerta para "todos os atores externos, inclusive a Rússia".

Desde o início da crise política na Venezuela no início deste ano, os EUA impuseram várias rodadas de sanções, visando os setores petrolífero e bancário do país, bem como indivíduos ligados às autoridades do país.

A Venezuela está sofrendo grave crise política desde janeiro. Junto com outros países ocidentais, os EUA apoiam Juan Guaidó, que se proclamou presidente interino da Venezuela. Ao mesmo tempo, Rússia, China e Turquia, entre outros…

Estaria Alemanha tomando liderança naval no Báltico para conter a Rússia na região?

A União Europeia está realizando um grande exercício naval no mar Báltico, onde a Alemanha está liderando as ações. O pretexto utilizado para os exercícios seria se preparar para a contenção da Rússia.


Sputnik

Para isso, a União Europeia estaria elevando a capacidade de suas Marinhas e quem vem se destacando na liderança entre países europeus é a Alemanha. Segundo a Reuters, alemães estão liderando os exercícios navais na costa finlandesa que contam com participação de 3.600 marinheiros e soldados, além de 40 navios e 30 aeronaves dos países participantes.


Submarino U31 da Marinha Alemã no mar Báltico, 7 de fevereiro de 2005
Submarino U31 da Marinha da Alemanha © AP Photo / HERIBERT PROEPPER

Expressando isso, o capitão da fragata Hamburg, Sven Beck, declarou que "o mar Báltico é nossa porta da frente, então nós e nossos vizinhos obviamente queremos ser capazes de nos movimentarmos livremente nas linhas do mar".

A Rússia já afirmou que não há qualquer tipo de ameaça direcionada a países europeus, porém, o problema em torno dessa situação seria a instalação de sistemas de mísseis dos EUA que estão sendo reestruturados para novos lançamentos de mísseis nas proximidades da mesma região onde a Rússia havia instalado seus sistemas de mísseis Iskander-M, em 2013.

Além disso, especialistas militares acreditam que em um eventual conflito, a Rússia poderia bloquear o mar Báltico, eliminando as linhas de comércio e dificultando o transporte de um apoio naval por parte da Europa Ocidental.

Diante da situação, a União Europeia decidiu realizar exercícios militares, onde praticarão a remoção de minas, além de procedimentos de escolta para navio de transporte e simulação de combate.

Já a Alemanha vem tentando assumir a liderança naval na Europa desde que a Crimeia foi anexada à Rússia. E o país está conseguindo se posicionar como líder após a Segunda Guerra Mundial. O fato é confirmado pela ministra da Defesa da Alemanha, Ursula von der Leyen, ao declarar que a Alemanha deve "ter maior responsabilidade na região".

Segundo o capitão Beck, "nós não temos uma grande Marinha, mas temos uma forte relação com os países bálticos. Então, nós estamos felizes por assumir a responsabilidade".

Em grande parte da Guerra Fria e nas décadas seguintes, Estados Unidos assumiram um papel de liderança na OTAN, ao se responsabilizarem pela segurança da Europa contra a Rússia. Entretanto, o presidente norte-americano acredita que a Europa deva aprender a se defender sozinha, abrindo mais um caminho para a liderança alemã na região.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas