Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Reino Unido reforçará sua presença militar no Ártico para se opor à Rússia, diz mídia

O ministro da Defesa britânico, Gavin Williamson, disse que o Reino Unido pretende reforçar a presença militar no Ártico para “proteger” o flanco norte da OTAN das ações da Rússia, segundo o diário The Telegraph.
Sputnik

Segundo o jornal, mais de 1.000 fuzileiros navais da Marinha britânica farão treinamentos anuais com colegas noruegueses no âmbito de um programa previsto para dez anos, formando no futuro próximo um novo destacamento, assinalou Williamson durante uma visita à base militar em Bardufoss, na Noruega.


O ministro britânico mencionou também que o Reino Unido enviará no próximo ano para a região do Ártico um avião de patrulha marítima Poseidon P8 para vigiar a atividade crescente dos submarinos russos.

"Queremos melhorar nossas capacidades em condições de temperaturas abaixo de zero, aprendendo com antigos aliados, tais como a Noruega, ou monitorando as ameaças submarinas com nossos aviões Poseidon. Nos manteremos atentos a novos desafios", afirmou Williamson.

O minist…

'Estrela da Morte': conheça satélite chinês caçador de submarinos já aprovado para criação

A China revelou planos de desenvolvimento de um novo satélite a laser, que será capaz de detectar submarinos a partir da órbita terrestre, comunicou a edição Military Watch. Prevê-se que o aparelho vá ser capaz de monitorar submarinos a 500 metros de profundidade.


Sputnik

A edição apontou que a China está se empenhando na criação de zonas de limitação e proibição de acesso e de manobra na água e no ar. Para isso, o país elaborou mísseis guiados ar-ar PI-21, adquiriu sistemas russos de defesa antiaérea S-400 e adotou os "assassinos de porta-aviões" DF-21D. 

Satélite no espaço (imagem referencial)
CC0 / Pixabay

Sendo assim, a criação do satélite antinavio seria uma ação lógica para "remendar" a última brecha na defesa do país e reverter o equilíbrio de poderes no mar no Sudeste Asiático a seu favor, assinalaram autores da matéria.

De acordo com a Agência de Projetos Avançados de Defesa dos EUA (DARPA, sigla em inglês), no momento, a profundidade máxima, atingida por um raio laser, corresponde a 200 metros, ou seja, poderá não haver nada no mundo que se assemelhe à criação chinesa.

O novo desenvolvimento pode vir a aumentar as capacidades da China na caça de submarinos, frisou a edição.

Prevê-se que o satélite, apelidado pela mídia como "Estrela da Morte", vá ser capaz de localizar submarinos, além de determinar a velocidade e a dimensão tridimensional dos mesmos. Quando usado com tecnologia de radar de micro-ondas, o aparelho pode escancear uma área de aproximadamente 100 km, ou focar em áreas de até 1 km.

Segundo seus desenvolvedores, por hora é ainda necessário resolver vários problemas, sendo que a novidade pode vir a entrar em serviço chinês somente daqui a uns anos.

Comentários

Postagens mais visitadas