Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

EUA podem voltar a enviar navios ao estreito de Taiwan, arriscando enfurecer China

Os Estados Unidos estão considerando enviar de novo seus navios através do estreito de Taiwan, arriscando escalar as tensões com a China, informa a Reuters citando autoridades americanas.


Sputnik

A missão em questão tem por objetivo assegurar a passagem livre através desta hidrovia estratégica, segundo a fonte citada pela agência.


Porta-aviões norte-americano Theodore Roosevelt no mar do Sul da China
Porta-aviões dos EUA USS Theodore Roosevelt no Mar do Sul da China © AP Photo/ Bullit Marquez

A notícia surge uns dias após Pequim ter expressado suas preocupações com a presença de uma embarcação americana no porto taiwanês de Kaohsiung e apelado para que Washington e Taipé parem todos os contatos militares.

Os Estados Unidos realizaram uma missão semelhante nas águas internacionais do estreito em julho passado e sua repetição poderá ser vista como expressão de apoio por Washington a Taiwan, que a China considera parte de seu território.

As autoridades estadunidenses entrevistadas pela Reuters sob condições de anonimato não especificaram a data exata da operação planejada. O Pentágono, por sua parte, recusou-se a comentar a informação.

Taiwan, situada em um grupo de ilhas a sudoeste da China continental, deixou de fazer parte do Estado chinês em 1949. Embora os contatos comerciais e não-oficiais entre os dois lados tenham sido retomados no final dos anos 80, a China recusa relações diplomáticas com qualquer país que reconheça Taiwan como um Estado.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas