Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Exército dos EUA se prepara para atacar grandes cidades?

Os EUA apelam ao desenvolvimento de novas ideias e projetos criativos para substituir a tecnologia que o Pentágono considera não ser eficaz para derrotar um adversário de igual para igual em seu território.


Sputnik

Um documento propondo a formulação de todas as ideias tecnológicas possíveis ("tempestade de ideias") foi publicado no site de compras pela Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) do país, entidade onde a alta tecnologia militar norte-americana é forjada. A matéria da Sputnik aborda o assunto.


Resultado de imagem para darpa

Navegação e comunicação

O documento enfatiza a necessidade das forças dos EUA adquirirem tecnologias inovadoras que permitam ter superioridade tanto em conflitos de intensidade variável com exércitos regulares, como em combates com tropas irregulares, sem uma linha de frente claramente definida.

Segundo a conclusão de especialistas da DARPA, a experiência adquirida pelo Exército dos EUA no Iraque e no Afeganistão não foi suficiente para derrotar um rival que "supere os Estados Unidos no número de forças terrestres ou frota de equipamentos militares". Os países considerados pelo Pentágono como prováveis inimigos e que se inserem nesse critério são: a Coreia do Norte, China, Irã e Rússia.

A DARPA afirma que o calcanhar de Aquiles das Forças Armadas dos EUA é a falta de tecnologias confiáveis para a condução de operações de combate em grandes cidades com prédios altos e infraestrutura subterrânea desenvolvida.

O Sistema de Posicionamento Global GPS, sem o qual nenhuma operação importante do Pentágono é possível hoje, não funciona em todos os lugares. O mesmo se aplica às comunicações de rádio militares, cujas possibilidades em áreas densamente povoadas são seriamente limitadas pelos arranha-céus. Além disso, a comunicação no subsolo (estações e vias do metrô) é completamente inacessível.

"O sucesso de uma operação militar depende da comunicação segura e confiável e do posicionamento global em todos os níveis […] O nosso objetivo é conseguir fornecer informação precisa aos militares de uma forma extremamente rápida e segura", comunica o documento.

O prognóstico da DARPA é sucinto: o Pentágono precisa de tecnologias que não estejam ligadas ao GPS, resistentes à supressão e guerra eletrônicas.

Inteligência e vigilância

O documento destaca que as forças norte-americanas necessitam de colocar à disposição das tropas tecnologias que permitam a coleta e o processamento automatizado de informações para simplificar a compreensão da situação operacional. Estas tecnologias deverão permitir encontrar rapidamente respostas para as seguintes perguntas "quem, o quê, onde, quando e porquê", bem como receber informações sobre os alvos – sua natureza, armamento, localização e velocidade de movimentação. Segundo o documento, essas informações são extremamente importantes em ambientes urbanos onde o inimigo se mistura com os civis.

A DARPA está interessada em tecnologias originais de reconhecimento automático de alvos e novos algoritmos de processamento de informações. Por exemplo, para identificar militares armados inimigos em uma multidão de civis ou descobrir um ponto de tiro mascarado em um edifício residencial.

O documento enfatiza a necessidade de adaptação de tecnologias civis às necessidades do exército a fim de "desenvolver meios de vigilância baratos que possam ser facilmente adaptados a várias condições". Provavelmente, trata-se do uso de veículos aéreos não tripulados comerciais. Os drones de baixo custo, que facilmente podem ser adquiridos pela Internet ou em uma loja de eletrônicos, há muito tempo que são ativamente usados, por exemplo, pelas partes adversárias em Donbass para monitorar o inimigo e ajustar o fogo de artilharia.

Sistema de sistemas

A DARPA dá muita atenção ao chamado Sistema de Sistemas, uma rede global de alta velocidade que conecta todos os militares norte-americanos e aliados no campo de batalha, equipamento militar, aeronaves, veículos não tripulados, satélites e outros meios de reconhecimento e destruição. O operador dessa rede é capaz de mudar instantaneamente a configuração das forças de ataque, distribuir rapidamente as direções para um ataque ao longo das ruas da cidade. Os soldados de infantaria têm acesso a informações dos drones, e estes distribuem independentemente os alvos entre si.

"O Sistema de Sistemas deve ser facilmente configurado para que os aliados possam ser rapidamente conectados a uma única rede […] É necessário simplificar a coordenação das suas ações sem contar com diferenças culturais e linguísticas", informa o documento.

Em geral, as áreas da "tempestade de ideias" propostas pela DARPA mostram que, nas guerras futuras, os norte-americanos se orientarão para pequenas unidades armadas com tecnologia de ponta e vários drones ligeiros. Se essas unidades serão capazes de combater com sucesso em grandes cidades é uma questão em aberto.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas