Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Forças Armadas russas receberão novos robôs de inteligência artificial (VIDEO)

No início da década de 2020, novos equipamentos de reconhecimento submarino e torres com metralhadoras com inteligência artificial serão entregues ao exército do país.


Nikolai Litôvkin | Russia Beyond

No início de outubro, a fábrica russa de armas e equipamentos de defesa o Consórcio Kalashnikov apresentou um novo módulo de combate parecido com uma torre com metralhadoras que funcionará com base em tecnologia de inteligência artificial (IA).


Resultado de imagem para forças Armadas russas receberão novos robôs de inteligência artificial
Marina Lystseva/TASS

O novo robô da Kalashnikov, com metralhadoras de calibre de 12,7 mm, funciona com base em tecnologias de redes neurais e pode detectar alvos, avaliar sua prioridade e destruí-los um a um, dependendo do nível de ameaça.

O módulo pode, por exemplo, perceber que é preciso destruir veículos blindados antes de destruir alvos únicos. Ao mesmo tempo, o operador pode desabilitar as funções do IA e assumir o controle manual.

O robô pode ser usado não apenas contra alvos terrestres, como infantaria ou veículos blindados, mas também contra alvos marítimos e aéreos. Assim, o módulo é uma arma eficaz contra pequenos veículos aéreos não tripulados amplamente usados por militares.

A arma também pode ser instalada como parte de uma rede várias torres conectadas a uma única rede para ação coordenada.

De acordo com o Consórcio Kalashnikov, o módulo pode tomar decisões independentes e diferenciar os animais dos humanos.

“A IA do robô tem um banco de dados de alvos pré-instalados que contém informações sobre sua aparência, movimento, irradiação térmica. O banco de dados é atualizado constantemente por meio de algoritmos de autoaprendizagem”, explicou o porta-voz do Consórcio Kalashnikov.

A instalação dos módulos de combate em instalações militares poderá excluir o fator humano, como a perda de vigilância ou fadiga.

Atualmente, o módulo está sendo testado pela fábrica. Caso os testes sejam bem-sucedidos, esta poderá ser a primeira torre com metralhadoras controlada por IA na Rússia.

Robôs de reconhecimento subaquático

O Consórcio Kalashnikov também está desenvolvendo o novo sistema “Harmonia” que consiste em uma rede de estações robóticas localizadas no fundo do mar.

O sistema realiza o monitoramento acústico do oceano usando sonares. Cada robô pode operar a temperaturas entre 10 graus Celsius negativos e 45 graus Celsius positivos.

"Os militares russos planejam instalar essas estações em águas neutras para controlar os submarinos estratégicos dos EUA, Reino Unido e França”, explica o analista militar Dmítri Safonov.

“Os Estados Unidos também estão implantando sistemas de reconhecimento semelhantes nos mares Norueguês, de Barents e no Mar do Japão. Eles estão observando os submarinos russos não apenas com a ajuda de sistemas marítimos, mas também com satélites”, diz Safonov.

Segundo ele, o novo sistema poderá cobrir completamente as fronteiras russas e monitorar o movimento de submarinos em águas neutras já no início da década de 2020.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas