Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

França lança estudos para novo porta-aviões

A França lançou estudos iniciais para um novo porta-aviões para eventualmente substituir o PA Charles de Gaulle após a década de 2030, mas negou rumores de planos para um segundo porta-aviões que permitiria uma presença permanente no mar.


Poder Naval

PARIS – A Marinha Francesa há muito tempo pediu um segundo porta-aviões, já que o Charles de Gaulle precisa de reabastecimento e reequipamento a cada seis ou sete anos, que o mantém em doca por 18 meses, limitando assim sua disponibilidade operacional. As restrições financeiras há muito impedem esse programa, mas as declarações iniciais do presidente Emmanuel Macron sobre as capacidades militares aumentaram as esperanças de que ele pudesse ser financiado.

Porta-aviões francês Charles de Gaulle

Anunciando o lançamento de uma fase de estudo de 18 meses e 40 milhões de euros para o novo porta-aviões no dia 23 de outubro na feira Euronaval, a ministra francesa das Forças Armadas, Florence Parly, disse que isso determinará “o que queremos e como queremos nosso futuro porta-aviões.”

Embora Parly não tenha feito nenhuma referência a um segunda porta-aviões, ela havia declarado anteriormente, em uma entrevista de rádio no dia 9 de setembro, que “é agora que temos que lançar estudos iniciais para um novo porta-aviões… mas deixaremos em aberto a questão se precisaremos de um ou dois.”

“A decisão será tomada na próxima lei do programa de defesa, depois de 2025”, disse ela, preparando a questão para a próxima década.

O Charles de Gaulle está atualmente completando uma reforma de 18 meses e atualmente está em testes no mar. De acordo com a Marinha Francesa, ele permanecerá em serviço até pelo menos 2035 e possivelmente 2040.

Dado que essas datas estão a 20 anos de distância, é questionável se alguém pode ter uma ideia clara de quais devem ser as especificações desse futuro navio, especialmente porque Parly disse que provavelmente permanecerá em serviço até as últimas décadas do século.

Além disso, além dos atuais caças Rafale, o novo porta-aviões também terá que operar seu sucessor, o sistema franco-alemão de combate aéreo futuro (Système de Combat Aérien Futur – Future Air Combat System), que não entrará em serviço até 2035 e não será totalmente definido até meados da próxima década.

O tamanho do novo navio também é uma questão em aberto, e provavelmente estará em algum lugar entre o deslocamento de 42.500 toneladas do Charles de Gaulle e as 70.000 toneladas dos novos porta-aviões britânicos HMS Queen Elisabeth.

Apenas uma característica já está clara: o novo navio terá que ser capaz de gerar enormes quantidades de eletricidade, por exemplo, para alimentar as (prováveis) catapultas eletromagnéticas, bem como as futuras armas a laser, que necessitam de propulsão nuclear.

Definindo o novo porta-aviões

Os estudos iniciais sobre o novo porta-aviões terão que responder a três perguntas principais, disse Parly:

  • Que ameaças terá que enfrentar? Que missões terá que realizar? As respostas a essas perguntas definirão os requisitos em termos de sistemas de combate e as capacidades de seus grupos de escolta;
  • Quais serão as especificações do novo porta-aviões, sobre o estado da arte tecnológica em 2030. Sua propulsão – convencional ou nuclear – ainda está em aberto, mas terá que levar em conta novas tecnologias como, por exemplo, catapultas eletromagnéticas.
“Devemos ser realistas, mas ambiciosos e, graças a estudos preparatórios detalhados, imaginativos e rigorosos, poderemos decidir a arquitetura do futuro porta-aviões e estabelecer uma organização industrial capaz de construí-la, respeitando o cronograma e o custo”.

FONTE: Defense-Aerospace.com

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas