Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Chefe da ONU diz que é essencial evitar escalada de tensões no Irã

O chefe da Organização das Nações Unidas (ONU), Antonio Guterres, alertou neste domingo que é essencial evitar “qualquer forma de escalada” das tensões no Golfo, em meio a temores de um conflito após a derrubada de um drone norte-americano pelo Irã na semana passada.
Por Catarina Demony | Reuters

LISBOA (Reuters) - “O mundo não pode permitir um grande confronto no Golfo”, disse Guterres, nos bastidores da Conferência Mundial de Ministros Responsáveis pela Juventude, em Lisboa . “Todos devem manter nervos de aço.”

Na quinta-feira, um míssil iraniano destruiu um drone de vigilância dos EUA, em um incidente que o governo norte-americano disse que aconteceu no espaço aéreo internacional.

Trump disse mais tarde que ordenou o cancelamento de um ataque militar em retaliação pela ação que poderia ter resultado em 150 mortes.

Teerã repetiu no sábado que o drone foi abatido sobre seu território e disse que responderia com firmeza a qualquer ameaça dos EUA.

Os comentários de Guterres vêm um dia depois…

Governo saudita: Jamal foi asfixiado e teve corpo enrolado em tapete

Nova tese sobre a morte de Khashoggi é dada por um membro do governo saudita que pede anonimato


Pars Today

O jornalista saudita Jamal Khashoggi teria sido morto por estrangulamento e o seu corpo enrolado em um tapete, para poder ser retirado da embaixada saudita, em Istambul, na Turquia. O anúncio foi feito por um membro do governo saudita, conta o Daily Mail.


Governo saudita: Jamal foi asfixiado e teve corpo enrolado em tapete

Esta mesma fonte acrescenta que um dos 15 homens que foram escolhidos para confrontar o jornalista, no dia 2 de outubro, vestiu as roupas de Khashoggi, após a sua morte, e saiu do edifício para que as autoridades acreditassem que se tratava dele.

Estas novas alegações, feitas sob anonimato, contradizem as explicações anteriores fornecidas pela Arábia Saudita e que criaram algum ceticismo a nível internacional.

Segundo esta nova versão, Jamal Khashoggi teria sido ameaçado de que seria drogado e raptado. O jornalista teria mostrado resistência e acabou por ser asfixiado até a morte.

Khashoggi era colunista no Washington Post e um grande critico do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman. O jornalista desapareceu no início de outubro depois de ter ido ao consulado obter documentos para se casar.

A Arábia Saudita já havia reconhecido que o jornalista foi morto no seu consulado em Istambul, na Turquia, mas alegava ter-se tratado de um acidente na sequência de uma luta.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas