Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Guarda Revolucionária do Irã promete manter presença 'eficaz' na Síria

Os conselheiros militares do Irã continuarão na Síria enquanto Teerã considerar sua presença "eficaz e útil" e em conformidade com as demandas de Damasco, informou o porta-voz do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica do Irã, brigadeiro-general Ramezan Sharif.


Sputnik

Em uma entrevista ao canal iraniano Press TV, Sharif declarou que, desde o início da crise síria, Teerã tem respeitado as normas internacionais ao apoiar o governo da Síria.


Militares do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (CGRI) marcham durante uma parada militar em homenagem à Guerra Irã-Iraque, de 1980-1988
Militares iranianos © REUTERS / MORTEZA NIKOUBAZL

"Esta crise fabricada foi levada do exterior para instigar a insegurança na Síria e criar uma margem de segurança para o regime israelense", afirmou ele.

Sharif sublinhou também que Israel engana todo o mundo quando se refere ao Irã e acusou Tel Aviv de atuar como "manequim político" na vitrine dos EUA.

Em setembro, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, afirmou que o governo iraniano possuiria um armazém secreto no qual levava adiante o seu programa nuclear, apesar das promessas de transparência feitas no acordo nuclear firmado em 2015.

O chanceler do Irã, Mohammad Javad Zarif, por sua vez, declarou que “Israel é o único regime na região com um programa de armas nucleares secreto e não declarado, incluindo o atual arsenal atômico”.

As tensões entre Israel e o Irã têm aumentado recentemente, com Tel Aviv acusando Teerã de ser aliado de Damasco e de tentar aumentar sua presença militar na Síria. O Irã tem negado repetidamente a presença de suas tropas na Síria, afirmando que apenas enviou seus conselheiros militares para ajudarem o governo sírio no combate aos terroristas.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas