Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Helicóptero da FAB pousa no NDM Bahia

No dia 24 de outubro, o pouso de uma aeronave da Força Aérea Brasileira (FAB) a bordo do Navio Doca Multipropósito (NDM) “Bahia”, da Marinha do Brasil (MB), demonstrou a interoperabilidade existente entre as Forças Armadas e caracterizou o prosseguimento de ações aéreas conjuntas entre a MB e a FAB.


Poder Naval

Visando o emprego de aeronaves de asas rotativas do Exército Brasileiro (EB) e da FAB, a partir do Porta-Helicópteros Multipropósito (PHM) “Atlântico” e do NDM “Bahia”, está sendo realizado um programa de qualificação para tripulações das aeronaves e dos navios, e para otimização de recursos e de material.

Helicóptero H-36 da FAB operando com o NDM Bahia
Helicóptero H-36 da FAB operando com o NDM Bahia

Ocorreram treinamentos em terra e no mar, sendo as atividades terrestres realizadas na Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, localizada no Rio de Janeiro, e a parte marítima feita por meio de pousos a bordo de navios da Marinha, na Baía da Ilha Grande.

Em relação à parte documental, foi constituído um Grupo de Trabalho Inter Forças (GTI) com o propósito de produzir a documentação necessária à viabilização de operações conjuntas e emprego dos meios das três Forças de forma integrada nesses meios navais.

NDM Bahia G40

Após os treinamentos e qualificações, que terão continuidade com as próximas fases do trabalho desenvolvido pelo GTI, as aeronaves e os tripulantes estarão habilitados a participar de Operações como a “Atlântico”, que ocorrerá em novembro.

FONTE: Marinha do Brasil

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas