Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Gorbachov chama EUA para retomar diálogo com a Rússia sobre armas nucleares

O último presidente da União Soviética, Mikhail Gorbachov, pediu que os Estados Unidos retomem um "diálogo sério" com a Rússia sobre o problema das armas nucleares e alertou contra as "perigosas tendências destrutivas" na política mundial, em artigo publicado nesta quarta-feira no jornal "Vedomosti".
EFE

Moscou - Após constatar uma ruptura da comunicação entre Moscou e Washington, o ex-líder soviético se dirigiu em particular aos congressistas americanos para pedir que deixem de lado suas diferenças partidárias para facilitar um "diálogo sério" entre ambos os países.


"Estou convencido de que a Rússia está preparada (para o diálogo)", ressaltou Gorbachov, que manifestou preocupação com a suspensão, primeiro pelos EUA e depois pela Rússia, do Tratado de Eliminação dos Mísseis de Médio e Curto Alcance (INF), que ele assinou em 1987 com o então presidente americano, Ronald Reagan.

Gorbachov apontou que por trás da decisão de Washington de deix…

Imprensa aponta obstáculos que Estados Unidos enfrentariam caso guerra se inicie na Europa

Caso na Europa surja uma guerra de grande escala, os militares estadunidenses mal conseguiriam alcançar a zona de conflito, escreve o jornal Defense News.


Sputnik

O autor do artigo, David Larter, sublinha que os EUA já começaram a se preparar para possíveis combates no Velho Continente, onde permanece a "ameaça russa".

Porta-aviões USS Carl Vinson em 15 de abril de 2017
Porta-aviões norte-americano USS Carl Vinson © REUTERS / Sean M. Castellano/Courtesy U.S. Navy

"Mas se a guerra for desencadeada amanhã, os militares dos EUA terão grandes dificuldades em transportar seus tanques, armas pesadas e equipamento", diz a edição.

Segundo o Defense News, hoje em dia os Estados Unidos têm muito menos navios para transportar armas do que na época da Segunda Guerra Mundial. Ao mesmo tempo, GAO, o escritório de contabilidade do Congresso dos EUA, relatou um aumento constante de falhas no equipamento.

Todos os 46 navios da Força de Reserva de Prontidão são velhos e estão se aproximando do fim de seu serviço. Além disso, a Marinha dos EUA tem problemas com o pessoal: os jovens engenheiros não sabem trabalhar com os velhos motores de propulsão a vapor, enquanto os engenheiros sêniores em breve serão aposentados.

Mesmo que consigam deslocar seu contingente à Europa, opina o autor, os EUA enfrentarão outro grande desafio — como sustentar os militares.

"A redução da capacidade de intervenção rápida tem causado alarme em Washington, pois a estrutura de segurança nacional enfrenta a ameaça dupla da China e da Rússia", relata a matéria.

Segundo o capitão aposentado da Marinha dos EUA, Jerry Hendrix, o país "leva a sério" a competição com as grandes potências na área militar. Neste caso, o transporte de material bélico é hoje um "problema estratégico crescente".

"Não temos a capacidade de competir com grandes potências se não tivermos uma força de apoio: trens e navios de logística, dos quais precisamos para sustentar operações de tal escala", concluiu Hendrix.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas