Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

INF é 'salvaguarda da paz e segurança na Europa', diz Espanha

Por meio de sua chancelaria, a Espanha expressou sua preocupação com a intenção do presidente norte-americano Donald Trump de retirar os Estados Unidos do Tratado de Forças Nucleares Intermediárias (INF) com a Rússia, enfatizando que o tratado é crucial para a segurança euro-atlântica.


Sputnik

Trump disse no sábado (20) que Washington irá sair do INF e acusou a Rússia de violar seus termos. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, rejeitou as acusações, ressaltando que o desmantelamento do acordo forçaria a Rússia a tomar medidas para garantir sua segurança.


Bandeira da Espanha
© flickr.com/ steve_h

"Este tratado (…) é um dos pilares essenciais do sistema euro-atlântico de controle de armas e, como tal, é uma salvaguarda da paz e segurança na Europa", afirmou o ministério das Relações Exteriores da Espanha por meio de nota.

Peskov disse que a questão provavelmente será levantada em uma reunião entre o presidente russo, Vladimir Putin, e o conselheiro de segurança nacional dos EUA, John Bolton, que chegou a Moscou no domingo.

O marco do tratado de controle de armas foi assinado pelo ex-presidente soviético Mikhail Gorbachev e pelo então presidente dos EUA Ronald Reagan em 1987. Os lados concordaram em destruir todos os mísseis balísticos lançados do solo ou que tenham alcance entre 500 a 5.500 quilômetros.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas