Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Israel exigirá novas armas dos EUA em resposta aos S-300 na Síria, prevê analista

Após a entrega dos sistemas russos S-300 à Síria, Jerusalém irá pressionar Washington para fornecer novas armas, disse à Sputnik Árabe o professor e especialista egípcio em assuntos israelenses, Muhammad Ali.


Sputnik

Segundo o analista, a recente declaração no Facebook do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, sobre o direito de autodefesa do país confirma sua suposição.

Presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu
Donald Trump e Benjamin Netanyahu © REUTERS / Ariel Schalit/Pool

"Israel entende que, após a entrega do S-300 à Síria, não será mais capaz de fornecer assistência emergencial aos militantes, como fazia antes, atacando instalações militares sírias do ar", disse o especialista.

Tel Aviv está perdendo instrumento de influência na situação síria, por isso agora todos os esforços serão direcionados para receber novo armamento, destaca.

"Donald Trump não está interessado em construir um confronto com a Rússia na Síria. O presidente americano está agora ocupado com inúmeros problemas e crises dentro de seu próprio país. Além disso, a agitação não diminuiu após a transferência da embaixada americana para Jerusalém", confirmou o professor.

Na terça-feira (2), o premiê israelense agradeceu aos EUA pelo apoio incondicional ao direito do Estado judeu em sua autodefesa, além da ajuda militar.

"Agradeço ao governo e ao Congresso dos EUA pelo compromisso com Israel e pelo pacote de assistência americana para a próxima década", acrescentou o chefe de Gabinete israelense.

Um memorando assinado em 2016 entre Israel e EUA sobre a cooperação em segurança prevê a assistência de Washington a Jerusalém no valor de US$ 38 bilhões (R$ 146 bilhões) no período de 2019 a 2028.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas