Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Jordânia considera cancelar Tratado de Paz com Israel

Em conformidade com o acordo de paz de 1994, a Jordânia concedeu a Israel direitos de propriedade privada em dois territórios fronteiriços. No entanto, o rei da Jordânia gostaria de recuperar as terras.


Sputnik

O rei da Jordânia, Abdullah II, anunciou neste domingo que o seu país decidiu suspender dois anexos do tratado de paz de 1994 com Israel, pondo fim ao arrendamento israelense dos territórios de Baqura, Naharayim e Al-Ghamr, e Zofar.


Rei da Jordânia Abdullah II
Rei da Jordânia, Abdullah II © Sputnik / Aleksei Nikolsky

"Baqura e Ghamr são território jordaniano e permanecerão jordanianos. Exercemos soberania plena sobre nossa terra", disse o rei, segundo a agência de notícias estatal Jordan News Agency (Petra).

"Nossas prioridades, em circunstâncias regionais tão difíceis, buscam proteger os nossos interesses, fazendo todo o necessário para a Jordânia e os jordanianos", observou Abdullah II, acrescentando que Israel estava ciente da decisão.

Em resposta à medida, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, prometeu, conforme citado pelo Haaretz, tentar convencer a Jordânia a estender o contrato. "Não há dúvida de que o acordo é um ativo importante", disse ele, elogiando os tratados de paz com a Jordânia e o Egito na qualidade de "âncoras da estabilidade regional".

Ambas as áreas em questão estão localizadas na fronteira entre Israel e a Jordânia. Os agricultores israelenses obtiveram direitos de propriedade da terra por um período de 25 anos, sob o acordo de paz de 1994, que arbitrou disputas antigas por terra e água entre os dois países.

Após o acordo de 1994, a Jordânia tornou-se o segundo país árabe (depois do Egito) a estabelecer relações diplomáticas com Israel. No entanto, as relações entre Israel e a Jordânia têm sido tensas nos últimos anos. No início deste ano, o rei jordaniano Abdullah II confirmou que Jerusalém Oriental deveria ser a capital de um futuro Estado palestino, enquanto Israel vê Jerusalém como sua capital oficial.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas