Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Trump diz que 'certamente' entraria em guerra com o Irã, mas 'não agora'

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que consideraria uma ação militar contra o Irã para impedir que a República Islâmica consiga armas nucleares. A briga entre Teerã e Washington aumentou depois que os EUA acusaram o Irã de atacar dois petroleiros.
Sputnik

"Eu certamente vou considerar as armas nucleares", disse Trump à revista Time na terça-feira, quando perguntado sobre o que poderia levá-lo a declarar guerra ao Irã. "E eu manteria o outro um ponto de interrogação".

A reportagem não especificou se o presidente elaborou o cenário de lançar um conflito armado de pleno direito com a República Islâmica sobre seu programa nuclear. Quando um repórter perguntou a Trump se ele estava considerando uma ação militar contra o Irã agora, ele respondeu: "Eu não diria isso. Eu não posso dizer isso".

Seus comentários foram feitos um dia depois de o Pentágono ter enviado 1.000 soldados extras para o Oriente Médio "para fins defensivos".

Os Estados Unidos cu…

Kiev concentra armas pesadas perto da linha de contato

As Forças Armadas da Ucrânia estão concentrando armamento pesado perto da linha de contato em Donbass, declarou na quarta-feira (31) o representante oficial da Milícia Popular de Lugansk, Andrei Marochko.


Sputnik

"As Forças Armadas da Ucrânia continuam a posicionar armas pesadas perto da linha de contato, ignorando os Acordos de Minsk e os compromissos internacionais assumidos", informou o representante oficial da República Popular de Lugansk (RPL), Andrei Marochko.


Canhão antitanque MT-12 Rapira das Forças Armadas da Ucrânia
Canhão antitanque MT-12 Rapira da Ucrânia © AFP 2018 / Sergei Bobok

Ele explicou que, de acordo com os dados da Milícia Popular, na região do povoado de Novozvanovka, na zona de responsabilidade da 14ª brigada mecanizada das Forças Armadas da Ucrânia, foi detectada a presença de dois canhões antitanque Rapira de calibre 100 mm e três tanques T-64.

"A situação na zona de responsabilidade da Milícia Popular permanece tensa, mas controlada", disse Marochko.

Em 2014, as autoridades ucranianas iniciaram uma operação militar contra as repúblicas populares de Donetsk e de Lugansk, que declararam sua independência depois do golpe do Estado que ocorreu na Ucrânia em 2014. Segundo as últimas estimativas da ONU, as ações militares em Donbass resultaram na morte de mais de 10 mil pessoas.

Em fevereiro de 2015, as partes em conflito assinaram os acordos de paz de Minsk para acabar com os combates na região, mas a situação permaneceu tensa, com as duas partes acusando-se mutuamente de violações do cessar-fogo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas