Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Kiev prepara provocação contra Guarda de Fronteiras russa no mar de Azov, alertam fontes

A Ucrânia está preparando uma provocação no mar de Azov com o objetivo de difamar a Guarda de Fronteiras russa, comunicou uma fonte na Crimeia à Sputnik.


Sputnik

"Em 11 de outubro, os agentes do Serviço de Fronteiras da Ucrânia planejam organizar a saída de um navio-patrulha do porto de Mariupol para o mar de Azov com um grupo de jornalistas da mídia ucraniana a bordo. O objetivo é coletar imagens para uma reportagem sobre alegadas ações agressivas da Guarda de Fronteiras do Serviço Federal de Segurança da Rússia em relação a navios civis ucranianos, bem como sobre o bloqueio dos portos marítimos da Ucrânia no mar de Azov", informou a fonte da Sputnik.

Um porto no mar de Azov
Mar de Azov © Sputnik / Vitaly Timkiv

Recentemente, o líder da Crimeia, Sergei Aksenov, comunicou que a Guarda de Fronteiras russa reforçou o controle nas águas dos mares Negro e de Azov por causa das manobras navais efetuadas por militares ucranianos.

Situação no mar de Azov

Desde o início deste ano estão sendo registrados incidentes navais entre os dois países na zona do mar de Azov. Em março, a Ucrânia deteve o navio pesqueiro russo Nord, acusando o capitão de visitar ilegalmente a Crimeia "para prejudicar os interesses do Estado". Em agosto, a Guarda Costeira ucraniana deteve o navio-cisterna Mekhanik Pogodin com tripulação a bordo.

Moscou chama as ações de Kiev de "terrorismo marítimo", reforçando inspeções alfandegárias na sua parte do mar de Azov. Então, a parte ucraniana acusou a Rússia de "levar a cabo uma política dura de deter e inspecionar navios".

No início de setembro, autoridades ucranianas anunciaram planos de criar uma base naval na costa do mar de Azov e de transferir para a área duas lanchas blindadas. Além disso, o Conselho de Segurança e de Defesa Nacional da Ucrânia ordenou o reforço da presença militar no mar de Azov, equipando os destacamentos da Guarda Costeira ucraniana com mísseis.

Em 22 de setembro, o navio ucraniano de busca e resgate Donbass e o rebocador de alto mar Korets navegaram ao longo da costa da Crimeia, tendo entrado na zona econômica exclusiva da Rússia. Vários navios de guerra russos escoltaram os navios ucranianos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas