Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Maior porta-helicóptero japonês visita Sri Lanka, rodeado pela influência chinesa

O maior navio japonês, porta-helicópteros Kaga, navegou pelo porto cingalês Colombo nesse fim de semana, marcando a forte presença japonesa em uma batalha diplomática com a China por influência na importante rota marítima da região.


Sputnik

O Japão forneceu empréstimos a juros baixos e auxiliou ao Sri Lanka, ajudando a transformar o porto Colombo no ponto de ligação que liga a artéria do comércio global ao sul da ilha que, consequentemente, liga a Europa e o Oriente Médio com a Ásia.

Porta-helicóptero japonês, Kaga, em Yokohama
Porta-helicópteros japonês Kaga | Japan Marine United

A China, por sua vez, surgiu como uma poderosa rival pelo Sul da Ásia e, além disso, pôs em prática a iniciativa emblemática Um Cinturão, Uma Rota, que visa recriar rotas comerciais da Ásia para a África e a Europa.

A Marinha chinesa está avançando através da Ásia-Pacífico e do oceano Índico, enquanto que a diplomacia militar do Japão está prosperando com o primeiro-ministro Shinzo Abe.

Segundo o contra-almirante, Tatsuya Fukuda, em artigo publicado na Reuters, "o governo japonês está promovendo um Indo-Pacífico aberto e livre, além disso, o desenvolvimento na Ásia-Pacífico faz parte da estratégia", além de afirmar que "a segurança e estabilidade marítima é de fundamental importância" para uma nação insular como o Japão.

A visita do navio japonês serviu para reforçar a intenção do Japão no Sri Lanka e demonstrar sua capacidade militar na região, onde a China está elevando influência.

Segundo o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Sri Lanka, Mahishini Colonne, "diversos navios militares de países parceiros visitaram o Sri Lanka neste ano e o navio japonês, um parceiro bilateral próximo, é bem-vindo".

Entretanto, vale ressaltar que, recentemente, o Sri Lanka concordou ceder o controle do novo porto Hambantota ao sul da costa a comerciantes chineses.

Portanto, para especialistas japoneses, Tóquio claramente enviou um dos seus maiores navios para utilizá-lo como influência militar na região, já que o Japão possui uma das maiores e mais avançadas marinhas do mundo, contando com mais de 40 destróieres, quatro porta-helicópteros e cerca de 20 submarinos.

No que diz respeito aos planos de Tóquio de adquirir mais veículos militares, novidades podem surgir no fim deste ano, quando o Ministério da Defesa japonês publicará dois documentos quanto aos objetivos de segurança e às aquisições militares em um período de cinco anos, que se inicia em abril de 2019. Recentemente, fontes militares japonesas informaram à Reuters que nos documentos serão inclusos caças F-35B, que pousam e decolam verticalmente, sendo, assim, capazes de levantar voo do convés do Kaga ou do Izumo.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas