Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Maioria dos caças F-35 retorna às operações de voo após inspeção no tubo de combustível

Depois de um problema no tubo de combustível ter deixado no chão todos os aviões F-35 na semana passada, mais de 80% dos jatos foram liberados para retornar ao voo, informou o escritório do programa F-35 (JPO) nesta segunda-feira.


Poder Aéreo

WASHINGTON – Em um comunicado de 15 de outubro, o JPO confirmou que os serviços dos EUA e parceiros internacionais concluíram inspeções de seus inventários de F-35 para tubos de combustível defeituosos. As aeronaves que não são afetadas pelos tubos ruins – que são componentes do motor F135 da Pratt & Whitney – estão de volta ao status de voo.


Lockheed Martin F-35B Lightning II
Lockheed Martin F-35B Lightning II

“O Escritório do Programa Conjunto F-35 continua a trabalhar em estreita colaboração com os serviços militares para priorizar substituições de tubos de combustível usando o atual estoque de peças sobressalentes”, disse o JPO. “A Pratt & Whitney está adquirindo rapidamente mais peças para minimizar o cronograma geral de reparo dos demais jatos. O estoque atual irá restaurar cerca de metade dos jatos impactados para as operações de voo, e as aeronaves restantes deverão ser liberadas para o voo nas próximas semanas.”

Na semana passada, todos os F-35 dos EUA e internacionais foram momentaneamente aterrados para permitir uma inspeção de tubos de combustível. A revisão começou como resultado de uma investigação sobre um acidente do F-35B dos Fuzileiros Navais de 28 de setembro perto da Marine Corps Air Station de Beaufort, na Carolina do Sul – o primeiro acidente do F-35 na história do jato.

Ainda não está claro exatamente como os tubos de combustível defeituosos afetam o desempenho do jato ou a gravidade da ameaça de segurança que representam durante as operações de voo. Joe DellaVedova, porta-voz do JPO, recusou-se a discutir os problemas específicos que levaram o escritório do programa a pedir uma inspeção em toda a frota, dizendo que os detalhes não poderiam ser divulgados até que o Corpo de Fuzileiros Navais concluísse sua investigação.

FONTE: Defense News

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas