Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Marinha do Brasil realiza a maior Operação de Guerra Naval da região Amazônica

O Comando do 9º Distrito Naval (Com9ºDN) realizou, no período de 8 a 19 de outubro, a Operação RIBEIREX 2018, a maior Operação de Guerra Naval da região Amazônica, que contou com a participação de meios do Comando do 4º Distrito Naval (Com4ºDN).


Poder Naval

Neste ano, o Com9ºDN foi o responsável pelo planejamento e execução da operação, cujo propósito foi adestrar o trinômio composto pelos meios Navais, Aeronavais e de Fuzileiros Navais na execução de uma Operação Ribeirinha, empregando mais de 600 militares na área fluvial compreendida entre as cidades de Itacoatiara e Parintins, no estado do Amazonas. Foram executados exercícios de trânsito sob ameaça de superfície, proteção contra ameaças assimétricas, esclarecimentos aéreo e de superfície, controle de área fluvial, culminando com o Desembarque Ribeirinho.


Ao final, foram realizadas ações cívico-sociais, com atendimentos médicos, odontológicos, exames laboratoriais, de raio-x e procedimentos de enfermagem.

O Comandante da Flotilha do Amazonas foi designado como Comandante da Força-Tarefa Ribeirinha (ComForTaRib), composta pelos Navios Patrulha Fluvial (NpaFlu) “Raposo Tavares”, “Roraima”, “Rondônia”, o Navio Patrulha “Pampeiro” (4ºDN), o Navio de Assistência Hospitalar “Soares de Meirelles” e o Navio-Auxiliar “Pará” (4ºDN); duas aeronaves do 3º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral e dois Destacamentos de Fuzileiros Navais, sendo um do 1º Batalhão de Operações Ribeirinhas e outro do 2º Batalhão de Operações Ribeirinhas (4ºDN).

FONTE: Marinha do Brasil

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas