Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

Mídia ocidental chama de 'brincadeira' manobras da OTAN na Noruega

À exceção da Polônia e dos países bálticos, nenhum membro da OTAN vê sinais de que Moscou esteja planejando um ataque convencional, relata a revista alemã Die Welt.


Sputnik

O autor do artigo, Christoph Schiltz, expressa suas dúvidas em relação à necessidade dos exercícios da Aliança na Noruega. 


Um soldado da OTAN durante manobras militares na Noruega
CC BY-SA 2.0 / Defence Images / 539 Assault Squadron performing a beach assault
Segundo Schiltz, há sérias divergências dentro da OTAN quanto à Rússia. Além da Polônia e dos países bálticos, os parceiros da OTAN "não veem sinais de que Moscou esteja planejando um ataque convencional".

A Aliança acredita que a ameaça da chamada guerra híbrida é "muito mais provável", com o uso de "armas cibernéticas, desinformação e instigadores".

Assim, o autor do artigo questiona: "Para quê então esta brincadeira na Noruega com a participação de 50 mil soldados e 10 mil unidades de equipamento?".

A OTAN compreende que, "no caso de uma ameaça de conflito real, as possibilidades serão limitadas", observa o autor.

"Isso se refere à infraestrutura, veículos, capacidades militares no ar e no mar, assim como à transferência de grandes unidades militares para o Leste. E aqui já nasce uma pergunta: tais manobras de grande escala ainda são relevantes hoje em dia?", pergunta Schiltz.

As manobras conjuntas da OTAN Trident Juncture começaram na Noruega em 25 de outubro e terminarão em 7 de novembro, envolvendo cerca de 50 mil soldados, 250 aeronaves e 65 embarcações de 31 países. O número de militares dos países do norte da Europa atinge mais de 13 mil efetivos, entre os quais cerca de 2 mil soldados da Suécia.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia, comentando os planos da Aliança, declarou que esses exercícios têm uma "clara" orientação antirrussa, e que a participação da Finlândia e da Suécia nas manobras leva a uma degradação da situação na região.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas