Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA podem dobrar contingente militar na América do Sul, diz chefe da inteligência russa

Os EUA podem aumentar seu contingente militar na América Central e do Sul de 20 mil para 40 mil homens, disse o vice-almirante Igor Kostyukov, chefe do Departamento Central de Inteligência (GRU, sigla em russo), do Estado-Maior das Forças Armadas da Rússia.
Sputnik

"Embora na América Latina não haja ameaça militar direta para a segurança dos EUA, Washington tem uma presença militar significativa [na região]. O Comando Conjunto das Forças Armadas dos EUA implantou na América Central e do Sul um contingente de 20 mil militares. No período de ameaças este pode aumentar para 40 mil militares", explicou Kostyukov.


De acordo com ele, os EUA podem provocar uma "revolução colorida" na Nicarágua e Cuba.

"As tecnologias de 'revolução colorida' testadas na Venezuela podem vir a ser usadas em breve na Nicarágua e em Cuba", disse ele.

Segundo Kostyukov, os EUA estão tentando estabelecer o controle total sobre a América Latina.

"A Administração dos EUA considera…

Ministério: Israel não aprecia S-300 na Síria, mas não pode cessar operações militares ali

Israel não está satisfeito com o surgimento dos S-300 na Síria, mas não pode deixar de efetuar operações militares no país vizinho, afirmou nesta quarta-feira (3), em entrevista à estação de rádio local Reka o ministro da Defesa israelense, Avigdor Lieberman.


Sputnik

O titular comentou pela primeira vez a declaração de seu homólogo russo, Sergei Shoigu, sobre a entrega dos sistemas de defesa antiaérea para a Síria como medida de resposta ao incidente trágico com o avião russo Il-20.

Sistemas antiaéreos russos S-300 durante o ensaio do desfile militar em Ekaterinburgo (foto de arquivo)
S-300 Favorit © Sputnik / Pavel Lisitsyn

O avião de reconhecimento russo com 15 militares a bordo foi abatido por engano no dia 17 de setembro pela defesa antiaérea síria durante a retaliação de um ataque conduzido pela aviação israelense, que Moscou responsabilizou pelo incidente.

"Não posso dizer que estamos satisfeitos com a presença dos S-300 [na Síria]. Mas é um assunto em que não temos saída. É impossível não tomar decisões", assinalou Lieberman.

O ministro reforçou que Israel "só defende seus interesses vitais", estando em uma situação em que "não pode se permitir quaisquer compromissos em tudo o que tem a ver com seus interesses na área da segurança".

Além disso, Avigdor Lieberman afirmou que a Rússia e Israel precisam restabelecer "relações normais" na Síria, expressando seu pesar por Moscou se recusar a aceitar as explicações de Israel quanto ao não envolvimento na tragédia com o avião russo.

"O objetivo mais importante de hoje é voltar ao regime de trabalho normal, coordenação, empregar mais ativamente a linha telefônica especial para prevenir situações de conflito. É preciso trabalhar", concluiu o ministro israelense.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas