Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Empresa chinesa faz peças para F-35? Revelação surge em meio a polêmicas envolvendo Huawei

Em meio à briga contínua entre os EUA e a gigante tecnológica chinesa Huawei, classificada como ameaça à segurança por Washington, verificou-se que uma subsidiária com sede no Reino Unido de uma companhia chinesa fabrica peças para os jatos americanos F-35.
Sputnik

Trata-se da companhia chinesa Exception PCB, com sede no condado britânico de Gloucestershire, que fabrica placas de circuitos que controlam os motores, iluminação, combustível e sistemas de navegação dos caças F-35 – o sistema de armas mais caro já feito.

De acordo com a emissora britânica Sky, citando materiais divulgados pelo Ministério da Defesa do Reino Unido, a empresa que fabrica componentes para os caças da Lockheed Martin foi comprada em 2013 pela companhia chinesa Shenzhen Fastprint, que inclusive já participou da fabricação de caças Eurofighter Typhoon e de helicópteros de ataque Apache.

"A Exception PCB, com sede em Gloucestershire, fabrica placas de circuito impresso que controlam muitas das principais capacid…

Ministério: Israel não aprecia S-300 na Síria, mas não pode cessar operações militares ali

Israel não está satisfeito com o surgimento dos S-300 na Síria, mas não pode deixar de efetuar operações militares no país vizinho, afirmou nesta quarta-feira (3), em entrevista à estação de rádio local Reka o ministro da Defesa israelense, Avigdor Lieberman.


Sputnik

O titular comentou pela primeira vez a declaração de seu homólogo russo, Sergei Shoigu, sobre a entrega dos sistemas de defesa antiaérea para a Síria como medida de resposta ao incidente trágico com o avião russo Il-20.

Sistemas antiaéreos russos S-300 durante o ensaio do desfile militar em Ekaterinburgo (foto de arquivo)
S-300 Favorit © Sputnik / Pavel Lisitsyn

O avião de reconhecimento russo com 15 militares a bordo foi abatido por engano no dia 17 de setembro pela defesa antiaérea síria durante a retaliação de um ataque conduzido pela aviação israelense, que Moscou responsabilizou pelo incidente.

"Não posso dizer que estamos satisfeitos com a presença dos S-300 [na Síria]. Mas é um assunto em que não temos saída. É impossível não tomar decisões", assinalou Lieberman.

O ministro reforçou que Israel "só defende seus interesses vitais", estando em uma situação em que "não pode se permitir quaisquer compromissos em tudo o que tem a ver com seus interesses na área da segurança".

Além disso, Avigdor Lieberman afirmou que a Rússia e Israel precisam restabelecer "relações normais" na Síria, expressando seu pesar por Moscou se recusar a aceitar as explicações de Israel quanto ao não envolvimento na tragédia com o avião russo.

"O objetivo mais importante de hoje é voltar ao regime de trabalho normal, coordenação, empregar mais ativamente a linha telefônica especial para prevenir situações de conflito. É preciso trabalhar", concluiu o ministro israelense.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas