Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Capacetes brancos preparam novas provocações na Síria, diz enviado russo na ONU

Membros dos Capacetes Brancos estão preparando novas provocações com substâncias tóxicas na Síria, disse o vice-embaixador russo na ONU, Vladimir Safronkov, nesta quarta-feira (24) na reunião do Conselho de Segurança da ONU.
Sputnik

Safronkov observou que os Capacetes Brancos acusariam o governo sírio pelo uso de tais substâncias.

Mais cedo nesta quarta-feira (24), o Major General Viktor Kupchishin, chefe do Centro Russo para a Reconciliação Síria, argumentou que funcionários da mídia estrangeira na província síria de Hama conduziram uma filmagem falsa da "morte" de uma família supostamente devido ao uso de armas químicas pelas tropas sírias.

Em diversas ocasiões, Moscou e Damasco apontaram que os Capacetes Brancos estavam produzindo provocações envolvendo o uso de armas químicas com o objetivo de culpar o governo da Síria e dar aos países ocidentais justificativas para a intervenção no país.
A estratégia de encenar ataques para usá-los como falsa bandeira tem sido usada repetida…

'Nós seremos um alvo': alemães comentam planos dos EUA de posicionar mísseis na Europa

A mídia alemã, inclusive as edições Die Welt e Die Zeit, escreveu sobre os planos dos EUA de se retirarem do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (Tratado INF), a possibilidade de posicionarem nos países europeus mísseis americanos e a reação da Rússia à situação, o que provocou respostas ativas da parte dos leitores alemães.


Sputnik

Muitos usuários expressaram o receio de que, por causa do posicionamento na Europa de mísseis norte-americanos, o continente europeu se tornaria alvo de um ataque no caso de ocorrer algum conflito grande, enquanto o território dos EUA permaneceria em relativa segurança.


Lançamento de mísseis Bulava (imagem referencial)
Lançamento de míssil russo Bulava © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia

"A Europa não deve se tornar de novo um brinquedo dos ianques. Eu espero que o nosso governo seja razoável e não comece a posicionar armas ofensivas dos americanos", comentou Erik D.

"Se houver uma guerra, seremos nós o alvo, e não os EUA", opina Stan Lee.

"Imagine que a Rússia tivesse colocado sua defesa antimíssil no México e no Canadá e realizasse manobras militares nesses territórios. Por quanto tempo os EUA permaneceriam calados?" exclamou Axel F.

"Vocês não devem se esquecer de que a possível guerra começaria perante as nossas portas, e não do outro lado do Atlântico", assinalou House B.

Entretanto, vários internautas também acusaram da tensão crescente a Rússia, lembrando o posicionamento de sistemas de mísseis em Kaliningrado. Porém, os outros responderam que esses mísseis estão no território russo, e não no polonês ou romeno.

"Não quero mísseis nem da Rússia, nem dos EUA no meu quintal", concluiu Bavaria One.

Em 20 de outubro, o presidente dos EUA, Donald Trump, declarou que seu país abandonaria o Tratado INF, alegando supostas violações do acordo por parte da Rússia.

Mais tarde, o presidente estadunidense acrescentou que os EUA aumentarão suas capacidades nucleares até que os outros países, como a Rússia e a China, "recuperem a razão".

O Tratado INF, assinado por Washington e Moscou em 1987, não tem data de expiração e proíbe as partes de terem mísseis balísticos terrestres ou mísseis de cruzeiro com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas