Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

O F-35 da Lockheed tem um problema na Turquia

O Congresso americano poderá bloquear a venda de aviões de combate para a Turquia. O único problema? O país fabrica peças essenciais para o F-35


Poder Aéreo

Em agosto, o Congresso dos EUA aprovou uma lei que poderia bloquear a venda de 100 caças F-35 da Lockheed Martin para a Turquia por causa de um acordo que os turcos têm para comprar um sistema de defesa aérea russo. E isso está criando problemas.

Partes do F-35 feitas na Turquia
Partes do F-35 feitas na Turquia

A Turquia é líder global na fabricação aeroespacial, e 10 empresas turcas produzirão cerca de US$ 12 bilhões em peças para o F-35, incluindo componentes-chave, como a fuselagem central e trem de pouso. Para certos itens, como o display do cockpit, a Turquia é a única fonte no mundo.

Turkish Aerospace Industries

Junto com a Northrop Grumman, a TAI fabrica e monta a fuselagem central, as portas dos compartimentos de armas e os pilones ar-terra usados ​​para transportar equipamentos.

Ayesas

É o único fornecedor de dois componentes principais do F-35 – a unidade de interface remota do míssil e o mostrador panorâmico do cockpit.

Kale Aerospace

Fabrica estruturas de fuselagem e conjuntos de uplock de trem de pouso.

Fokker Elmo

Faz 40% do sistema de interconexão de fiação elétrica (EWIS) para o motor F135.

Alp Aviation

Fabrica estruturas e conjuntos de fuselagem, componentes de trem de pouso e mais de 100 peças do motor F135, incluindo rotores de lâmina integrados de titânio.

Um risco para suprimentos?

Se os EUA bloquearem o acordo com o jato, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, pode cortar o fluxo de peças de seu país. “Se a cadeia de fornecimento turca fosse interrompida hoje, resultaria em uma quebra na produção de aeronaves, atrasando a entrega de 50-75 jatos e levaria cerca de 18-24 meses para fabricar peças em outros fornecedores”, escreveu o secretário de Defesa dos EUA, Jim Mattis, em julho em uma carta ao Congresso.

Erdogan disse pouco sobre como ele poderia responder. Mattis deve apresentar um relatório ao Congresso até meados de novembro sobre o impacto potencial de qualquer mudança na participação da Turquia. A Lockheed diz por enquanto a venda para os turcos está no caminho certo.

FONTE: Bloomberg

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas