Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Oposição síria aceitará presença militar russa, se esta servir aos interesses do povo

A oposição síria considera possível a presença militar de forças estrangeiras em seu país, desde que não prejudique os interesses do povo, disse à Sputnik o chefe da Comissão de Negociações da Síria, Naser Hariri.


Sputnik

Hariri chegou a Moscou para se reunir nesta sexta-feira com o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.


Ajuda humanitária da Rússia para a Síria
Ação humanitária da Rússia para a Síria © Sputnik / Mihail Voskresensky

"As forças estrangeiras que desembarcaram recentemente não deveriam estar na Síria, mas respeitaremos todos os documentos e pactos internacionais relativos aos países ligados à Síria e que não prejudiquem o povo sírio", disse Hariri ao responder uma pergunta sobre a presença militar russa em seu país.

Ele ressaltou que a oposição síria não vê nenhum problema nos acordos com a Rússia, desde que atendam aos interesses do povo sírio.

As tropas russas atuam no território do país árabe no âmbito de um acordo bilateral com a Damasco. A Rússia administra a base aérea de Hmeymim, na província de Latakia e o porto de Tartus, para onde pode enviar reforços, se considerar necessário.

Por outro lado, a coalizão internacional liderada pelos EUA, realiza ataques aéreos contra terroristas na Síria desde 2014, sem o consentimento das autoridades do país árabe.

Os EUA possuem uma base militar no sul da cidade de Al Tanaf onde treina "forças aliadas" da oposição armada para "combater o terrorismo".

Rússia, Irã e Turquia também já se manifestaram diversas vezes contra a presença militar dos Estados Unidos na Síria.

Comentários

Postagens mais visitadas